Teologia do Corpo: conhecimento e procriação

Teologia do Corpo: conhecimento e procriação

familiaEste é o 10º artigo da série Teologia do Corpo
“Crescei e multiplicai-vos

O fato de o homem e a mulher, por sua constituição física magnificamente desenhada pelo Criador, terem a chance de se unir intimamente, tão intimamente entre si a ponto de formar “uma só carne”, tem sido definido como “conhecimento”. Na linguagem cotidiana, quando afirmamos que “conhecemos” algo ou alguém, normalmente nos referimos a um conhecimento cognitivo, em nível psicológico. É interessante a linguagem bíblica equiparar o conhecer psicológico com o ato sexual, que é algo, à primeira vista, apenas físico. Dizemos “à primeira vista” porque já se vê uma brecha para compreendermos que, desde o princípio, corpo e alma jamais poderiam estar dissociados. A união – o conhecimento – do corpo é algo profundamente ligado com o conhecimento, a intimidade, a comunhão da pessoa em si. Ora, esta é a base do matrimônio. O verbo “conhecer” usado nos dois sentidos vem da pobreza linguística de termos um outro vocábulo mais adequado, mas acaba nos revelando esta grande verdade. “Conhecer” envolve todo o nosso ser, é um dom de corpo e alma para o outro. O próprio Papa afirma que conhecer = unir-se.

Crescei e multiplicai-vos…” (cf. Gen 1, 28 ). Certa vez, numa exegese deste pequeno trecho do versículo aprendemos que, primeiramente devemos crescer, para depois nos multiplicarmos. Crescer indica amadurecimento, é algo qualitativo. Multiplicar é um verbo da área matemática e, portanto, indica algo quantitativo: aumentar o número dos filhos de Deus, o número dos que vão adorá-lo e participar da sua felicidade eterna.

Reconhecemos verdadeiro milagre do potencial procriativo que Deus deixou impresso em nossos corpos masculino e feminino, que, graças a essa distinção sexual participam da geração de uma nova vida. “O homem se uniu a Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz Caim, dizendo: “Ganhei um homem com a ajuda do Senhor.” (Gen 4, 1). “O conhecimento condiciona a geração”, afirma São João Paulo II (Teologia do Corpo 21, nº 3, de 12 de março de 1980). Tal afirmação aponta para as duas dimensões inseparáveis do ato conjugal já desde o princípio: a dimensão unitiva – associada ao “conhecimento” – e a dimensão procriativa – associada à “geração” – binômio que dá título a esta seção que fecha o primeiro ciclo: o “Princípio”.

Conhecimento, ou seja, o ato conjugal, e procriação, a capacidade de gerar uma nova vida estão intimamente ligados na essência mais profunda da sexualidade humana e, portanto, não podem estar dissociados. Daí, concluímos o ensinamento perene da Igreja que afirma corajosamente que a contracepção e a reprodução artificial são males intrínsecos, pois ferem frontalmente essas duas dimensões. Continua ainda a catequese:

“A procriação faz que “o homem e a mulher (sua esposa)” se conheçam reciprocamente no “terceiro”, originado de ambos. Por isso, este “conhecimento” torna-se uma descoberta, em certo sentido, uma revelação do novo homem, no qual ambos, masculino e feminino, ainda reconhecem a si mesmo, e no qual reconhecem a humanidade de ambos, a imagem viva de ambos. (…) … esse conhecimento comporta especial consciência do significado do corpo humano, ligado à paternidade e à maternidade.” (Teologia do Corpo 21, nº 4, de 12 de março de 1980)

Em especial relevo, no texto de Gênesis 4, 1 está o mistério da feminilidade que se manifesta e revela em toda sua profundidade mediante a maternidade: “concebeu e deu à luz”. “A mulher apresenta-se diante do homem como mãe, sujeito da nova vida humana, que nela é concebida e se desenvolve, e dela nasce para o mundo. Assim se revela também em toda profundidade o mistério da masculinidade do homem, isto é, o significado gerador e “paterno” do seu corpo.” (cf. Teologia do Corpo 21, nº 2, de 12 de março de 1980).

Com a entrada do pecado no mundo, vemos o ciclo do “conhecimento-procriação” mostrar mais uma linda faceta. É a vida que luta contra morte, e sempre a domina. O conhecimento passa a ser um novo princípio e a procriação gera mais ser humano, que partilha minha natureza, que é também “osso dos meus ossos e carne da minha carne” e que vai começar sua história. Milagre de amor e de vida!

tati-ronaldo2Por Tatiana e Ronaldo de Melo assessores do Núcleo de Formação e Espiritualidade da Pastoral Familiar/Arquidiocese do Rio de Janeiro

LEIA TODOS OS ARTIGOS DA SÉRIE AQUI.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email