Em preparação para Encontro Nacional, PJ reflete sobre a esperança

Em preparação para Encontro Nacional, PJ reflete sobre a esperança

esperança

A Ampliada Nacional da Pastoral da Juventude (PJ) que acontecerá em Crato, no próximo janeiro de 2017. Com intuito de preparar o caminho para esse encontro, a PJ lança uma série de reflexões. Nessa edição, a palavra que guia e orienta é esperança! E é sobre o “renovar a esperança”.

Confira:

Esperança é atitude ativa. A primeira pergunta que poderíamos fazer é: a Pastoral da Juventude no Brasil tem sido lugar, a partir dos grupos de jovens, de viver a esperança? Tem sido sinal de esperança? Em que momentos/gestos/práticas gera esperança a juventude? Evangelizar é, sobretudo, organizar uma ação que inspirada pelo projeto de Jesus, o filho de Deus, e iluminada pelo Espírito, faz acontecer a vida. E onde há vida, há esperança. Onde há esperança, há vida. O trocadilho nos ajuda e desafia a dizer que uma Evangelização centrada no Mestre de Nazaré deve ser geradora de esperança. Ele mesmo o fez em cada dia.

Em Caná – vinho novo com gosto de esperança

O capítulo 2 de João nos apresenta o “primeiro sinal” de Jesus. As comunidades joaninas partilham, nesse Evangelho, o que chamam de “7 sinais”. Não usam a expressão “milagres”. O sinal é uma manifestação, uma revelação. Sempre nos revelamos por sinais. A Pastoral da Juventude é renovadora de esperança a partir de sinais. Os sinais sempre exigem uma resposta. Jesus manifestou-se por sinais e convida a fazer experiências, dar respostas aos sinais: vem e vê! O vinho, nas bodas em Caná, se torna o princípio dos sinais de Jesus.

O vinho recebe três significados diferentes em sua nomenclatura (oinos): vida, esperança, alegria… Nesse texto o vinho aparece como uma metáfora. A frase de Maria pode ser entendida como: Eles não têm mais vida! Eles não têm mais esperança! Eles não têm mais alegria! O texto destaca as trevas em que vivia o povo da época. Ou, ainda: a denúncia de que o judaísmo, como corpo doutrinal, não teria mais respostas para o povo de Deus – estava esvaziado (talhas).

O casamento (núpcias) faz lembrar o livro do Êxodo, capítulo 19. Deus escolhe um povo para fazer aliança. Essa relação, com o passar do tempo, estava sendo desgastada. O amor foi substituído pela Lei. Jesus, em pessoa e projeto, é o vinho novo (Mc 2, 21- Mt 9, 14-17- Lc 5, 35-39). Jesus é o gosto de esperança de qualquer projeto de pastoral. Voltar-se para Jesus é um desafio cotidiano. Aqui precisamos pensar: qual Cristologia é geradora de esperança? O Messias servo, comprometido até a Cruz, ou o Messias mágico “que vai resolver nossos problemas”?

O grupo de jovens – esperança pintada de muita convivência, muita formação, muita oração, muita festa!
Não temos dúvidas de que no processo de Evangelização da Juventude o grupo é o lugar essencial. Nesse sentido, o grupo de jovens deve ser o espaço primeiro de renovar a esperança dos sujeitos envolvidos. Jovens e Assessores/as são provocados em cada encontro, na convivência, na formação, na reza e na festa/celebração produzir horizontes de esperança. Muitas vezes, o clima pesado e, até mesmo, pessimista nos toma conta. É hora de provocar o que a “crise” nos faz pensar. Nem todo encontro pode ser alegre e festivo, mas todos devem ser gestados com esperança. Mesmo os encontros que partilham as dores devem ser geradores de esperança por colocar em comunhão a dor que cada um carrega. Por isso, o compromisso em cada encontro do grupo de jovens é importante. O que essa experiência me leva a gestar? É preciso cuidado para não cairmos no ativismo desenfreado, mas numa esperança que produz movimentos internos e externos.

Pedimos para 5 jovens – um de cada região do país – e uma assessora da PJ para partilhar conosco os sinais de esperança e de alegria da vivência em grupo. Partilhas fantásticas. Não iremos utilizar todo o texto, mas algumas expressões usadas por esses/essas jovens e assessora que nos desafiam a centralidade dos processos de educação na fé e formação integral vivida a partir dos grupos.

Viver no grupo é uma arte. No grupo se aprende a escrever e colorir nossa história de uma forma mais bonita, junto com tantos outros jovens, com suas lutas, sonhos e utopias! A Utopia mora em cada jovem, assim como a esperança! Viver em grupo é amar, respeitar, perdoar, dividir alegrias e tristezas, aceitar o diferente com igualdade e o igual com respeito… saber que nunca se está só. Que sempre possamos abraçar, amar, cuidar uns dos outros, tendo Jesus como exemplo, que nunca seguiu sua caminhada sozinho. – Rafaela Dellagostin – Erechim/RS.

No mundo hoje, cada vez mais rápido, mais cheio de informações, penso que o grupo de jovens tem um desafio: desacelerar o que está muito rápido e ‘humanizar’. As alegrias no grupo, no meu limitado ver, está na experiência de ter um pouco mais de contato entre um jovem e outro. Ouvir ambos e fazer com que haja um diálogo entre pontos de vista diferentes. A esperança no grupo é fazer com que o jovem pense no outro como o Cristo vivo, e o trate como se realmente o fosse. Fazer com que o jovem cuide do outro, se importe e saiba pedir e/ou dar um abraço na hora certa. O que vemos são pessoas que correm de um lado para o outro, ocupados, atarefados. Jovens que estudam, trabalham, dão o seu melhor para ser alguém mas que se esquecem da pessoa que está do lado. Então, a esperança é fazer com que o jovem desacelera e olhe pra pessoa que está do lado. Partilhe com essa pessoa. Rodrigo Oliveira – Rio Verde/GO

“Deixa-me ser jovem não me impeça de lutar, pois a vida me convida a uma missão realizar”. Foi essa canção que me faz apaixonar pela Pastoral da Juventude. Entrei na PJ em 1992, quando, naquele ano, a CNBB lançou a Campanha da Fraternidade: Fraternidade e Juventude. Foi um encantamento arrebatador! Conheci uma Igreja acolhedora de jovens. Como cristã comprometida com a comunidade, entendi que ser jovem na Igreja fazia muita diferença enquanto ser humano. E ser jovem, mulher e negra na PJ era uma grande alegria para Deus como todos/as os/as demais jovens da minha idade. Assim, tive muitas alegrias na PJ, mas a maior delas foi a de ser reconhecida como ser humano que tem direitos e é amada por Deus. A esperança que me movia e me move sempre é de que a vida poderia ser melhor se eu me capacitasse, estudasse e vivesse em grupo, pois independente de minha cor ou condição social eu podia conquistar o que eu quisesse. Que a vida em comunidade nos faz mais próximos de Deus e Deus mais próximo de nós. Hoje, na missão em Moçambique, onde atualmente vivo, é uma bonita consequência das alegrias e esperanças encontradas na PJ. Se eu, em 1992, acreditava que “a vida nos convida a uma missão realizar” eu sou a prova viva disso. Sou eternamente grata à PJ por tudo que me tornei. Foi a PJ que me fez ser a mulher que sou, em todo lugar, mas especialmente aqui em Moçambique. É aqui que testemunho esse Deus Pai e Mãe que a PJ me fez descobrir, amar e encontrar nos que me rodeiam. – Edina Lima Cardoso – Missionária Leiga em Mecuburi/Nampula – Moçambique/África.

Foi no grupo de base que aprendi a importância de sonhar e construir a vida da juventude em mutirão, e como é gostoso caminhar junto, aprender, ensinar e, acima de tudo: AMAR o próximo, assim como o nosso Mestre Jesus Cristo, nos ensinou, com a sua própria vida e seus ensinamentos. Como diz uma frase de um escritor que qual aprecio muito: “Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si e levam um pouco de nós.” (Antoine de Saint’ Exupéry). Acredito com muita fé que o grupo de base deixa marcas profundas em nosso coração e em nossa alma, e a Pastoral da Juventude é isso: eternizar momentos que durarão para sempre em nossas lembranças, pessoas que passam pela nossa vida de forma única e inesquecível, e que nos mostram que ser Igreja Jovem, é sermos jovens profetas e profetisas da esperança e do amor de nosso Mestre! – Vinícius Barbosa Sete – Limeira/SP

No coração, o que mais se sente, é a alegria e a esperança. Estar no serviço da Coordenação da PJ é doação e entrega: fazemos tudo por amor, que impulsiona e motiva. A cada dia são sempre novos passos, sonhos e olhares. Na caminhada continuamente temos medo, pois nas estradas que trilhamos sempre encontramos pedras e espinhos que dificultam, e tornam o passo a passo mais difícil. Por vezes, até o querer desistir vem à cabeça, mas em compensação vemos lindas flores que embelezam o caminho. Este caminho não trilhamos sozinhos, tem companheiros e companheiras que nos ajudam a colocar em prática tudo que sonhamos. Ver o rosto da meninada a cada lugar visitado é o que anima; sonhamos com um novo mundo possível e que a Pastoral da Juventude é um leque de possibilidades para a vida dos PJoteiros e das PJoteiras. – Ludymila Yanna – Crato/CE

Nossas alegrias decorrem nos olhares brilhantes daqueles jovens que, em meio a tantas atrocidades dos nossos tempos, ainda se fazem chama viva e fecunda de uma vida em comunidade, tendo assim a esperança de que um mundo melhor é possível a partir do protagonismo das vivências comunitárias. Aliás, é bem mais feliz e realizado aquele que partilha e celebra a vida na comunidade. – Henrique Barbosa – Manaus/AM

Em todos os cantos do país vemos/sentimos/acolhemos o testemunho dos sinais de esperança gerados pela Pastoral da Juventude. Não é pouca coisa! Como continuar e com mais intensidade? Como revitalizar essa ação nos grupos de jovens de todos os cantos? Onde buscar referências para isso? Lembramos, novamente, o primeiro sinal de Jesus em Caná: transformar a água em vinho – gestar esperança onde ela estava vazia. É preciso pensar grande. A Evangelização da Juventude precisa ser vinho novo de Jesus de Nazaré.

Esperança transformada em sinais – vinho novo em copos cheios de juventude!

Esperança não é uma atitude de acomodação. Esperança não é esperar passivamente. Paulo Freire, o maior pensador de educação no Brasil, ajudou a refletir esperança com o verbo “esperançar”. O verbo indica ação. Poderíamos dizer que é uma esperança prática. Nas palavras do mestre: “É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar; porque tem gente que tem esperança do verbo esperar. E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera. Esperançar é se levantar, esperançar é ir atrás, esperançar é construir, esperançar é não desistir! Esperançar é levar adiante, esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro modo…”

Parece óbvio, mas é necessário também dizer o óbvio: a Pastoral da Juventude do Brasil é convidada a evangelizar num movimento de “esperançar”. Uma ação permanente que produza vida. Poderíamos dizer que a atitude de Jesus, em Caná, foi de esperançar. O vinho novo é esperança para os noivos e para a festa cananeia. A PJ precisa ser vinho novo na evangelização da juventude.

Esse “esperançar” poderia ser traduzido em tantas práticas. Vamos citar algumas delas, inspirados também na partilha que acompanhamos dos jovens e você pode continuar essa lista com tanta esperança que se torna vida em cada canto desse país:
– Esperança traduzida em grupos de jovens inseridos nas comunidades;
– Esperança em perceber que os grupos se tornam espaço de convivência, de acolhida, de amizade para a juventude;
– Esperança em saber que o grupo de jovens muda a vida, a partir das vivências, de todos aqueles que tomam a decisão de viver nesse lugar;
– Esperança em reconhecer que o grupo vence a cultura do individualismo e se torna, assim, profecia na medida que fala “a voz dos que não tem voz”;
– Esperança em ver tantos/as jovens empobrecidos/as reconhecendo na Pastoral da Juventude um lugar de esperança;
– Esperança em processos que nos educam na fé e, consequentemente, nos tornam mais humanos;
– Esperança em descobrir-se sujeitos de direitos e integrar espaços que garantem os direitos da juventude;
– Esperança na participação de tantos/as jovens da PJ em conselhos municipais, estaduais e até nacionais, garantindo a reflexão e a necessidade de se pensar a meninada como sujeito de direitos;
– Esperança em viver a vocação de assessor/a de jovens como um serviço e uma necessidade pastoral;
– Esperança em tantos leigos/as adultos, padres, religiosos/as que vivem a entrega no acompanhamento a juventude;
– Esperança em descobrir, escrever, partilhar e viver projetos de vida;
– Esperança em acreditar numa formação integral em todas as suas dimensões que se transformam em vida na vida da meninada;
– Esperança em um método carregado de esperança: ver – julgar – agir;
– Esperança em uma Pastoral que tem um caminho claro, uma identidade solidificada;
– Esperança em rezar dentro de uma Pastoral que assume a vivência da espiritualidade libertadora;
– Esperança que nasce da atitude profética de cultivar e cuidar da memória pessoal e coletiva…

A Ampliada Nacional da Pastoral da Juventude seja tempo de esperança. De renovar a esperança na juventude. Caná nos inspira. Passando pelos Cananeus, continuamos caminhando, caminhando até a Galileia, até Crato/CE, até onde nossos pés puderem alcançar os jovens… O contador de histórias, mestre da utopia, Eduardo Galeano enche nosso coração de esperança ao dizer: Vivemos um mundo infame, eu diria. Não nos incentiva muito… Um mundo malnascido. Mas existe outro mundo na barriga deste. Esperando… E é um mundo diferente. Diferente e de parto complicado. Não é fácil o seu nascimento. Mas com certeza pulsa no mundo que estamos. Um outro mundo que “pode ser”, pulsando no mundo que “é”.
Amém!

Por Maicon Malacarne

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email