Membro do Pontifício Conselho no EJNMC: os desafios da juventude no mundo contemporâneo

Publicado em 16 de julho de 2015 Por 1 Comentário

11741150_724648820978549_7320167756117273036_o

>> Acompanhe a COBERTURA COMPLETA do #ENJMC aqui.

Os desafios da juventude no mundo contemporâneo foi o tema da palestra ministrada pelo responsável do Setor Jovem do Conselho Pontifício para os Leigos do Vaticano, padre João Chagas. A palestra ocorreu na tarde desta quarta-feira, 15, e faz parte do segundo dia de programação do Encontro Nacional de Jovens dos Movimentos e Novas Comunidades (ENJMC) em Belém/PA.

Padre João Chagas apresentou um panorama com os movimentos que a Igreja Católica fez para alcançar a juventude, sobretudo na década de 80, no pontificado do Papa João Paulo II. Ainda na década de 80, o papa convocou dois encontros mundiais de juventude, um em 1984 e 1985, que daria origem às Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ). “A Igreja tinha muitas coisas para passar aos jovens, assim como os jovens tinham muitas coisas para passar para a Igreja e esses encontros proporcionaram essa troca”, disse padre João.

A partir da institucionalização das JMJ’s, a Igreja Católica passou a observar algumas dimensões dos desafios encontrados pela juventude como o material, emocional e familiar. Dentro dessas dimensões estão inseridas questões como a sexualidade, os projetos de vida, a violência, o extermínio de juventude e o medo. “Na Bíblia, a referência a não ter medo é citada cerca de 365 vezes, daí vocês podem perceber o peso que essa palavra tem”, afirmou padre João, alertando que um dos desafios da juventude hoje é o medo de fracassar.

O medo e a falta de confiança em si faz com que o jovem não se sinta como um agente de mudança e transformação dentro da sociedade. Para isso é necessário “que os líderes que estão em contato com esse jovem, mostrem que nós (Igreja) estamos ao lado dele” e devem “mostrar que ele tem valor aos olhos de Deus”, ressaltou ele.

Ao final, o responsável do Setor Jovem do Conselho Pontifício para os Leigos destacou que os movimentos e as novas comunidades tem uma tarefa primordial que é “encontrar unidade na diversidade, criando agendas em comum”. Uma dessas agendas é a JMJ que desde o início sempre contou com a dedicação dos movimentos e comunidades da Igreja.

A programação do segundo dia do ENJMC ainda contou Lectio Divina, palestra Rota 300 com o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB, Dom Vilson Basso, e palestra A Igreja na Amazônia, com Monsenhor Raimundo Possidônio. No encerramento houve Missa e Adoração. O ENJMC segue até o próximo domingo, 19, em Belém do Pará.

 

Por Igor Pereira – Setor Juventude Belém

Fotos: Fabrício Coleny 

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais