Jovens saem missão em Belém no 3º dia de ENJMC

Publicado em 18 de julho de 2015 Por 1 Comentário

Jovens missionários ns feira Ver-o-Peso.

Jovens missionários ns feira Ver-o-Peso.

>> Acompanhe a COBERTURA COMPLETA do #ENJMC aqui.

“Ide! Sem medo para servir”. O chamado do Papa Francisco, ao final da JMJ Rio2013, não deixar de ecoar no coração da juventude de todo Brasil. E foi, a partir deste apelo, que os jovens líderes dos movimentos e novas comunidades partiram logo cedo em missão, na manhã desta sexta-feira, 14, no quarto dia do II Encontro Nacional de Líderes Jovens dos Movimentos e Novas Comunidades (ENJMC).
Os missionários se dirigiram a 13 lugares selecionados tendo em vista as realidades de periferia do centro urbano, caridade social ou populações ribeirinhas.
A equipe organizadora da missão dividiu os cerca de 200 jovens para os seguintes locais: regiões das paróquias São Pedro, São Paulo, São Domingos Gusmão e Santa Maria Goretti; Abrigo João de Deus, que atende moradores de rua em diversas situações de vulnerabilidade social; Abrigo João Paulo II; instituição que acolhe hansenianos; Abrigo Pão de Santo Antônio, onde residem de idosos; as Ilhas de Cotijuba e Jumaci; e o Ver-o-Peso, a maior feira a céu aberto da América Latina.
O missionário da Comunidade Mater Dolorosa de Jerusalém (Petrópolis-RJ), Pedro Thiago da Cruz Costa, visitou o Abrigo João de Deus, obra das Irmãs Missionárias do Bom Samaritano. Pedro contou que um dos acolhidos pela instituição, o senhor Bernaldo, o marcou muito pela sua história e forma como chegou ao abrigo, após uma grave situação de alcoolismo e com riscos de amputar a perna.
Antes de ir embora da visita no dia de hoje, Pedro precisou ir ao banheiro e o senhor o esperou do lado de fora. Quando este percebeu que não tinha sabonete para o jovem lavar as mãos, ele foi, pegou o pequeno pedaço de sabonete que guardava com todo cuidado e entregou a Pedro. “Vi nisto um grande gesto de gratidão dele. Vejo, a partir de casos como o dele, que as pessoas não são apenas vítimas das situações dolorosas, mas são capazes de dar uma resposta diferente. O que nos acontece de sofrimento não são reticências, mas deve ser um ponto final em nossa história”, conclui o missionário da Comunidade Mater Dolorosa de Jerusalém ao enfatizar suas impressões deste dia de missão do ENJMC.
Missionários na Ilha de Cotijuba
Após uma travessia de 50 minutos de barco, os jovens missionários chegaram à Ilha de Cotijuba e partiram de casa em casa para evangelizar.
Uma das casas visitada foi de Liliane de Castro e Janara Martins. Elas, juntamente com seus respectivos maridos e filhos, alugaram uma casa na ilha para passar o mês de julho, considerada época de verão na região amazônica quando muitos belemenses saem da capital para passar a temporada nas ilhas.
Na conversa com os jovens missionários, Liliane e Janara relataram um pouco sobre a realidade da localidade de exploração sexual de crianças e adolescentes. “Eles chegam até a disfarçar as meninas com uniforme escolar, mas, na verdade, são conduzidas para Belém ou vice-versa para serem exploradas”, contam.
Antes da evangelização, os jovens participaram da Missa de envio na Paróquia São Francisco de Assis. A celebração foi presidida pelo pároco José Rinaldo e concelebrada pelo diácono Adrick Sousa, também da paróquia, e padre João Paulo de Botero, participante do ENJMC acompanhando o grupo do Regnum Christi.
Na Missa, padre Rinaldo contou como chegou à ilha: ele é mineiro e se dispôs a Deus a fim de ser enviado para onde o Senhor escolhesse: “Para onde Deus nos mandar, temos que lançar a semente”. Ele está há 4 anos como pároco na ilha e, como é natural de uma realidade bastante diversa, ressalta que se lança, mesmo diante dos temores. “Ilha de Cotijuba é terra de missão e já tem desapartado vocações”, destacou ainda o pároco ao relatar sobre duas jovens da ilha consagradas na Comunidade Sementes do Verbo.
Por Gracielle Reis

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais