Entenda o que são as assembleias dos bispos

Publicado em 5 de Maio de 2014 Por 2 Comentários
Celebração com os bispos da CNBB Regional Sul 1, no Santuário de Aparecida (Foto: Francisco Isaias) Ferreira

Celebração com os bispos da CNBB Regional Sul 1, no Santuário de Aparecida (Foto: Francisco Isaías) Ferreira

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB, foi fundada em 1952, por inspiração de Dom Hélder Câmara, então bispo auxiliar no Rio de Janeiro, onde se instalou a sede, transferida mais tarde para Brasília. A primeira assembleia geral da entidade foi realizada em 1953, em Belém do Pará. Após alguns anos, passou a ser anual e realizada no Distrito de Itaici, Indaiatuba, na aprazível casa de retiro dos jesuítas. A partir de 2011, acontece na cidade de Aparecida.

Em sua história, a CNBB participou ativa e decididamente dos rumos da nação brasileira. Durante a ditadura militar (1964-1984), com marcante liderança de dirigentes como Dom Aloísio Lorscheider, Dom Ivo Lorscheiter e Dom Luciano Mendes de Almeida, a CNBB se apresentou, na sociedade brasileira, como voz catalizadora dos esforços de retorno à democracia, na defesa dos direitos humanos e das liberdades políticas.

Desde a primeira assembleia, a conferência tratou da questão fundiária do Brasil, com destaque para a reforma agrária. Permeando pronunciamentos e atuação da conferência, o problema da terra mereceu importante documento em 1980 e, na 52ª assembleia geral anual de 2014, volta à tona a partir do documento, ainda a ser aprovado, A Igreja e a questão agrária brasileira no início do século XXI.

A CNBB produziu, até agora, noventa e nove documentos oficiais. O último, recém-publicado, é o Diretório de Comunicação da Igreja no Brasil. Produziu mais de cem documentos de estudo, cinquenta edições anuais da campanha da fraternidade e uma infinidade de notas e mensagens. A cada quadriênio, publica as Diretrizes para a ação evangelizadora da Igreja no Brasil.

As conferências episcopais são canal de integração, unidade, colegialidade e comunhão entre os bispos e desses com o sumo pontífice e o magistério universal da Igreja, de onde emanam as orientações para as dioceses. O episcopado brasileiro tornou-se numeroso; são cerca de trezentos bispos, arcebispos e cardeais, na ativa, e outros cento e cinquenta bispos eméritos, com mais de 75 anos. O núncio apostólico, representante diplomático do Papa no País, também participa da assembleia.

Tendo como horizonte a justiça social, a defesa dos pobres, a solidariedade para com a causa dos povos indígenas e dos excluídos do campo e das periferias urbanas, a conferência e suas assembleias tratam também de temas ligados à defesa da vida e da família, questões de bioética e a preservação do meio ambiente.

Iniciativas populares contra a corrupção e por eleições limpas se somam, atualmente, a uma campanha pela paz e superação da violência, que incide de forma alarmante na sociedade brasileira. Vislumbra-se assim a necessidade de novo paradigma civilizatório em relação ao planeta terra e ao ser humano.

Dom Pedro Luiz Stringhini
Bispo diocesano de Mogi das Cruzes

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais