Um chamado à santidade através do amor!

Um chamado à santidade através do amor!

O que o Movimento Gen (Geração Nova) pode oferecer ao mundo hoje

Final da década de 60, Guerra Fria, conflito armado no Vietnã, surgimento de novas drogas sintéticas e movimentos culturais de contestação. Todos esses ingredientes borbulhavam o dia-a-dia dos jovens quando um apelo partiu da Itália: “Jovens do mundo inteiro, uni-vos!”. Mas uni-vos para quê? Para reconstruir o mundo através do amor concreto e da vida coerente dos valores cristãos inspirados no Evangelho.

Créditos: Instagram @editoracidadenova/ @guga.monteiro

Era um chamado feito por Chiara Lubich, hoje em processo de beatificação. Ela, que havia fundado o Movimento dos Focolares em meio à Segunda Guerra Mundial, convidava os jovens a transformar a realidade não através do relativismo e da violência, mas da decisão radical de dizer sim à Vontade de Deus, como Maria, em cada momento presente. Através desse chamado nasceu o Movimento Gen (Geração Nova), expressão jovem do movimento dos Focolares.

Nesse convite, jovens como a beata Chiara Luce Badano, a Serva de Deus Cecilia Perrín, da Argentina, e os Servos de Deus e amigos Carlo e Alberto, de Gênova, na Itália, encontraram um norte. Hoje, assim como no final da década de 60, o chamado à santidade ressoa. A última exortação do Papa Francisco, Gaudete et Exsultate, é um convite a se manter firmes nessa meta, não obstante o ritmo acelerado da vida e os desafios sociais e tecnológicos.

Sobre os diversos anseios típicos da juventude, que muitas vezes encobrem aquilo que é essencial, Chiara Lubich escreveu aos Gen (Geração Nova), em 1967, um texto chamado “O que importa”:

Usava uma jaqueta vermelha.

Chamava-se Edna e viera do longínquo Brasil para a Itália a fim de doar-se completamente a Deus, deixando pais e pátria ainda na flor da idade.

Estava na região das montanhas havia um mês para recuperar a saúde. Devia passear, caminhar bastante. Tomara a direção de um desfiladeiro.

Naquela tarde, a escuridão descera rápida e os poucos centímetros de neve que caíra davam à paisagem um aspecto diferente.

Edna ficou meio desnorteada. Procurou localizar, à direita e à esquerda, as luzes da cidade que se acendiam aos poucos e para lá se dirigiu rapidamente. Mas se enganou. O povoado que vislumbrara não era aquele em que estava hospedada.

Caminhou. Pôs um pé no vazio de um abrupto precipício. No fundo do abismo, com a morte, o amor de Deus a esperava para levar sua alma ao Paraíso.

Durante dois dias e duas noites, o povo da região, que a amava, a procurou em vão. Eram mais de mil pessoas.

Finalmente, alguém avistou a jaqueta vermelha.

Edna, depois que o seu corpo foi transferido para Roma, repousa no cemitério de Rocca di Papa.

Gen, que me lê, ouça-me:

Não existe uma idade para morrer. Todo dia é dia. A vida se esvai. E vida temos uma apenas.

Como vivê-la?

Como Edna. Ela conhecia um único segredo: amar. Amar a Deus e, por Deus, o próximo.

Se, diante de todas as circunstâncias alegres ou tristes, diante de todos os deveres, diante de todas as pessoas, o coração dela tivesse podido soltar um grito, teria sido este: importa amar-te!

Sim, importa amar a Deus. Todo o resto é vaidade.

Edna sabia disso. Por esse motivo, a sua alma era rubra de fogo de amor por Deus e sua jaqueta permanecerá como símbolo de sua vida.

Também nós, Gen, façamos como Edna.

O que importa? Digamos uns aos outros, e antes de tudo, a nós mesmos.

O que importa na vida?

Amar-te, meu Deus, importa!

(Chiara aos Gen, Volume 1, p. 123)

 

Para aprofundar: esse texto foi publicado na coleção Chiara aos Gen, da Editora Cidade Nova. Os três livros reúnem as mensagens de Chiara aos jovens, desde a década de 60 aos anos 2000. A vida da beata Chiara Luce Badano também está disponível em duas biografias publicadas pela mesma editora.

Por Gustavo Monteiro

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email