Teologia do Corpo: o campo de batalha no coração humano

Teologia do Corpo: o campo de batalha no coração humano

 

formacao_o-que-e-a-teologia-do-corpo-940x500Este é o 13º artigo da série Teologia do Corpo

A passagem de Mt 5, 27-28, nos acompanhará nas reflexões do segundo ciclo das catequeses da Teologia do Corpo. No artigo 12, meditamos sobre a ordem dada por Cristo: “Não cometerás adultério”. Naquela oportunidade focamos na vertente da educação para o amor do coração. E, neste momento passamos para o seu contexto mais abrangente, que nos revelará o significado chave da Teologia do Corpo. Aqui, Jesus faz uma revisão fundamental do modo de cumprir e compreender a lei moral da Antiga Aliança. Quando Ele afirma que não veio revogar a Lei e os Profetas, mas dar-lhes pleno cumprimento, objetivava mostrar que o Reino dos Céus terá plena existência no plano temporal ao cumprirmos os seus preceitos.

Percebemos, então, que esta passagem, como a de Mt 19, 3-9, tem caráter normativo. E, chegamos ao centro do ethos compreendido como a percepção do valor, de onde brota o conhecimento e a consciência do dever, e o consequente ato efetivado a partir do valor reconhecido. O ethos nos faz entrar na profundidade da norma e no mais interior do homem, vivendo o que o Papa chamou de “Moral Viva”, pois não nasce do cumprimento cego da lei, mas da sua adesão por causa do seu valor. Cristo transpõe a essência da questão para outra dimensão ao sair do meio meramente legal.

Cristo, com as palavras da passagem inicial, dirige-se aos homens de todos os tempos e, também, ao homem interior, ao coração. O adultério ao qual se refere “significa a infração da unidade, mediante a qual apenas os cônjuges podem unir-se tão intimamente de modo a serem uma só carne” (TDC, XXV, 3). O adultério, como ruptura, nesta passagem nasce com o sentido da visão. É interessante marcar, neste ponto, a reflexão apresentada pelo Papa João Paulo II ao deduzir que o “olhar de desejo dirigido para a própria esposa não é adultério “no coração”, justamente porque o este ato interior do homem se refere à mulher que é sua esposa, em relação à qual o adultério não pode se verificar” (TDC, XXV, 4).

Neste ponto, podemos adentrar na verdade sobre o que o homem enfrenta naquele contexto que foi o foco da atenção de Jesus ao querer que, a partir dele, o ser humano vivesse a verdadeira felicidade: o coração. E é justamente no coração que brotam, como nos revela São João (em I Jo 2, 16-17) sobre a tríplice concupiscência, a concupiscência da carne, dos olhos e o orgulho da riqueza, que não vêm do Pai, mas do mundo. Ou seja, a concupiscência existe porque nos afastamos do plano original, do princípio, de Deus para nós. E o fruto deste afastamento vem da árvore do conhecimento do bem e do mal, que nasceu, cresceu e vive no coração do homem. Justamente aí se encontra o ponto chave da nossa reflexão: o Coração Humano. Fica mais claro entendermos o porquê da preocupação de Jesus em querer atingir nosso coração, pois ao atingi-lo e convertê-lo, Ele nos reconduz ao Pai, ao Reino dos Céus, já aqui na Terra. Ele nos leva à verdade sobre o homem, verdade esta que não pode ser negada, como diria o dramaturgo alemão Bertolt Brecht, na obra ‘A Vida de Galileu’, “Quem conhece a verdade e a chama de mentira é um criminoso”. Pois sabemos que, quando o homem fecha o seu coração ao que vem do Pai, resta nele apenas o que vem do mundo e, como vimos, o que vem do mundo não é a verdade.

E verdade e mentira lutam dentro de nós, no nosso coração. Numa batalha sabemos que vence quem tem a melhor estratégia e o exército mais forte. No campo da sexualidade, qual lado está mais bem guarnecido para as decisões do dia a dia: o lado do amor autêntico ou o da luxúria desenfreada? Se queremos nos fortalecer no amor, precisamos dar as “armas” certas a esse exército. Isso inclui a prática da caridade e de todas as outras virtudes. Confessar-se frequentemente, cultivar uma vida de oração e meditação na Palavra de Deus, evitar situações de tentação… Sabemos, muito bem! Abramos, pois, os nossos corações a Cristo e desejemos ardentemente sua presença para que Ele nos ajude neste campo de batalha do coração.

tati-ronaldo2Por Tatiana e Ronaldo de Melo assessores do Núcleo de Formação e Espiritualidade da Pastoral Familiar/Arquidiocese do Rio de Janeiro

LEIA TODOS OS ARTIGOS DA SÉRIE AQUI.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email