Teologia do Corpo: Nudez Original (“Estavam nus e não se envergonhavam”)

Teologia do Corpo: Nudez Original (“Estavam nus e não se envergonhavam”)

 

Este é o 7º artigo da série “Teologia do Corpo”

O homem deixa de viver a solidão original, conforme narrado pelo livro do Gênesis, com a criação da mulher. Ele toma consciência de si e enxerga seu corpo dotado de uma sexualidade. É a partir deste fato, com a noção de masculinidade e feminilidade, que homem e mulher podem se tornar uma só carne e viver a unidade.

Na sua origem, ou melhor, no princípio, como foi dito pelo próprio Cristo, homem e mulher viviam em perfeita harmonia. Viviam na simplicidade que permitia se olharem e enxergarem pessoas íntegras. A nudez na qual se encontravam revelava a integralidade do ser humano. O olhar da concupiscência ainda não tornava a visão turva, e, através desta visão verdadeira criavam profunda comunhão, pois eram verdadeiro dom um para o outro. Trazendo para a nossa realidade podemos fazer um paralelo entre o olhar de quem quer amar e o de quem deseja apenas usar o outro. Quem ama enxerga no outro uma pessoa. Já quem usa vê o outro como um corpo que serve apenas para ser usufruído.

A nudez originária significava a verdadeira capacidade que homem e mulher tinham de doar-se um ao outro, de criar e viver em comunhão. A principal característica dessa nudez era aquela de não haver nada escondido para o outro. Porém, ao pecarem, a primeira coisa que percebem é que estavam nus. Sentem, pela primeira vez, vergonha. Saem do estado de graça em que viviam e permitem que o medo se apodere de seus corações. O medo de ser usado, o medo de não ser visto mais como pessoa. Justamente o coração humano que é aquilo que Jesus mais se preocupa em tornar puro no ser humano. A radical transformação do significado da nudez original deixa-nos supor transformações negativas de toda relação interpessoal homem-mulher (cf. Teologia do Corpo, Catequese XXIX, item 2, de 04 de junho de 1980).

O grande mal gerado pela “vergonha original” foi a perturbação da masculinidade e da feminilidade que, quando modificadas da sua situação original, impedem o homem e a mulher de viverem aquela comunhão inicial. E, ao deixarem de ser comunhão, homem e mulher se afastam um do outro, deixam de ser imagem e semelhança de Deus, que também é comunhão. A perda da pureza presente na nudez original atacou aquilo que determina a sexualidade humana e está diretamente ligado àquele chamado à unidade originária.

Como não podemos mais voltar a ser exatamente o que éramos no princípio, neste estado da nudez original – a vergonha pode ter um sentido positivo – podemos preservar, guardar nosso corpo da cobiça e da luxúria, conservar-nos no nosso valor enquanto pessoas humanas. Assim, atitudes como o pudor no vestir e no comportar-se, longe de serem gestos de repressão, são de um profundo resgate da nossa insondável dignidade de filhos de Deus!

tati-ronaldo2Por Tatiana e Ronaldo de Melo assessores do Núcleo de Formação e Espiritualidade da Pastoral Familiar/Arquidiocese do Rio de Janeiro

LEIA TODOS OS ARTIGOS DA SÉRIE AQUI.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email