Teologia do Corpo: A concupiscência nas relações entre homem e mulher

Teologia do Corpo: A concupiscência nas relações entre homem e mulher

Este é o 15º artigo da série Teologia do Corpo

No Sermão da Montanha, Cristo nos revela o “desejo” que nasce do coração humano. Um coração que ao afastar-se do seu criador adquire forma e comportamento distanciados do que fora sonhado para o homem. Na sua primeira epístola, São João, na passagem de 2, 16-17, nos enuncia: “Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e o orgulho da riqueza, não vêm do Pai, mas no mundo”. Essa tríplice concupiscência nasce e vive no mundo. Ela não se origina na criação, mas tem seu início no afastamento da humanidade do seu criador. E, justamente, ao romper a aliança com Deus através do pecado do homem, o mundo se torna lugar e fonte da concupiscência, ou seja, dessa má inclinação que temos e que nos deixa atraídos pelo pecado.

Compreendido o sentido do mundo como lugar de onde surge a concupiscência, partimos para a reflexão do “homem de desejo”, de cujo coração brotam os desejos que levam ao pecado, ao comportamento que o afasta da realidade inicial da criação. O momento chave a ser analisado é aquele em que é posto em dúvida o dom, pois é exatamente aí que entra a incerteza, já que o homem não acredita que haja apenas o Bem, mas passa a crer também no mal.  Nega, assim, o dom da humanidade na verdade do seu duplo ser, enquanto imagem e semelhança de Deus, masculino e feminino.

“… E perceberam que estavam nus”. A partir desta passagem, nos damos conta do novo estado da natureza humana. Este seria, então, o primeiro sinal da concupiscência no coração do homem. Percebemos que a vergonha sentida e manifestada pelo homem e pela mulher não vem da pureza do coração sonhado por Deus, mas daquele mundo desligado, afastado, modificado do plano original da criação.

Foto: Djair&AnaCarolina

Foto: Djair&AnaCarolina

O corpo humano, na sua masculinidade e feminilidade não é só fonte de fecundidade, mas desde o princípio tem caráter esponsal, ou seja, é capaz de exprimir o amor com que o homem-pessoa se torna dom. O homem e mulher, em sua unidade de corpo e alma, são como que projetados por Deus um para o outro, o que significa que nascemos para nos darmos uma ao outro como esposos e esposas. Isso é o que nos diz claramente a diferença sexual.

Logo, modificando o sentido original da sexualidade humana na sua relação recíproca homem-mulher, o corpo se torna um simples objeto de atração, deixando de ser dom, perdendo seu caráter esponsal. Chegamos aqui ao centro deste nosso estudo, pois é justamente onde percebe-se a deformação das relações entre homem e mulher. Quanto mais o coração do homem se afasta de Deus, mais cheio da concupiscência ele fica, e ficando assim menos ele experimenta o significado esponsal do corpo. O corpo da mulher se torna simples objeto de desejo e de uso para o homem e vice-versa. Deixa-se de perceber a presença real da pessoa, única criatura que Deus quis por si mesma.

O convite que recebemos para construirmos sólidas relações entre o homem e a mulher, ao sermos dom recíproco, nos direciona a uma visão ampla da corporeidade e da sexualidade humanas, para que possamos ver no outro e na outra uma criatura divina, um ser humano feito à imagem e semelhança de Deus. Só com esta visão integral do ser humano promoveremos a união como comunhão de pessoas.

14517426_999994730108988_6225747804125387467_n

Por Tatiana e Ronaldo de Melo – assessores do Núcleo de Formação e Espiritualidade da Pastoral Familiar/Arquidiocese do Rio de Janeiro

LEIA TODOS OS ARTIGOS DA SÉRIE AQUI.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email