Pastoral Juvenil da Amazônia no centro das reflexões do Sínodo Pan-Amazônico

Publicado em 9 de outubro de 2019 Por 1 Comentário

Dom Antônio ao centro durante o Sínodo Amazônico.

Durante o Sínodo da Amazônia, Cardeais, bispos, sacerdotes, religiosos, religiosas, peritos e auditores enriquecem os trabalhos a partir de sua bagagem pastoral, cultural e profissional. A Pastoral Juvenil do Brasil está bem representada, no dia de hoje, Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB – Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém-PA, membro da Comissão para a Juventude relatou a experiência com a Pastoral Juvenil na Amazônia e seu contexto desafiador. Falou sobre o desejo relatado pelos jovens de  uma “paternidade espiritual” nos sacerdotes, e ainda que “os jovens esperam da Igreja uma decidida opção preferencial” confira:

INSTRUMENTO LABORIS: N. 16, 27, 53, 78, 140

Querido Santo Padre, estimados irmãos e queridas irmãs,

A população da Amazônia é jovem, portanto, demograficamente a Amazônia é a região da Esperança. Todavia, somos chamados a contemplar a sua  realidade infanto-juvenil. A situação é muito delicada e isso deve ecoar no coração da Igreja Missionária.

Uma triste realidade é vivida por centenas de milhares de jovens amazônicos marcados pela pobreza, violência, doenças, prostituição infanto-juvenil, vícios, tráfico de drogas, gravidez precoce, desemprego… Por outro lado, temos ainda fenômenos como o vazio existencial, a automutilação, o suicídio, a inadequada formação profissional, a pouca afeição dos jovens para com valores tradicionais, a perda das raízes culturais…

Lamentavelmente, nos últimos anos, houve um forte aumento da população juvenil encarcerada, bem como cresceu a criminalidade organizada entre os jovens. Esses dramas juvenis nos chamam a atenção e nos tocam profundamente porque os jovens são parte do nosso rebanho e merecem o nosso afeto e cuidado criativo.

Por detrás dessa realidade temos uma série de causas: a fragmentação da família, a ineficiência de políticas públicas preventivas, a fragilidade da educação, a insuficiente atenção do Estado à educação, a pressão sedutora das ideologias (a cultura secularista, tecnicista, presentista, imediatista, economicista e hedonista). Contudo é importante reconhecermos que a maioria dos jovens amazônidas são sadios, tem bons ideais, estão comprometidos com a construção de um mundo melhor, são críticos diante dos graves problemas sociais como a corrupção e a violência; muitos jovens católicos em nossas comunidades dão profundo e alegre testemunho de vida cristã, de amor à Igreja, de sensibilidade humana e sereno protagonismo juvenil. Mas é urgente uma dinâmica e renovada pastoral seguindo os horizontes da exaltação apostólica Christus vivit.

Diante disso, é  urgente a promoção de uma renovada e ousada Pastoral Juvenil. Tudo isso constitui um sério sinal de alerta para o qual a Igreja, em razão da sua missão, não deve ficar indiferente e calada. A resposta pastoral da Igreja em relação aos problemas juvenis tem sido ainda muito tímida; essa timidez pastoral se manifesta visivelmente através de muitos fatos e situações.

Há quase uma generalizada ausência de um projeto específico de evangelização das juventudes nas dioceses da Amazônia, ainda fazemos uma evangelização genérica. A evangelização dos jovens ainda está muito atrelada às atividades religiosas e litúrgicas; a renovação da pastoral juvenil parece ainda muito lenta e distante da psicologia juvenil; também há carência de visão de processos que supere a pastoral de eventos e manutenção.

É necessária uma urgente ampliação da visão do mundo juvenil e das suas necessidades, pois, ainda não há uma clara opção pela evangelização da juventude através de meios como, o esporte, as artes (música, dança, teatro), lazer e entretenimento; precisamos dar atenção para a dimensão lúdica dos jovens (cf. Christus Vivit, N. 218, 226).

Constatamos uma profunda carência de sacerdotes com especialização em pastoral juvenil nas dioceses e prelazias; muitos jovens acusam certa “carência de paternidade espiritual” nos sacerdotes, porque os percebem com pouco tino pedagógico e carentes de empatia. Os jovens da Amazônia esperam da Igreja uma decidida opção preferencial e um forte relançamento da Pastoral Juvenil em todas as dioceses formando jovens líderes, incentivando o protagonismo juvenil, reforçando a catequese, propondo o voluntariado missionário, etc.

Por Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB – Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém, membro da Comissão para a Juventude.

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

1 Comentário para “Pastoral Juvenil da Amazônia no centro das reflexões do Sínodo Pan-Amazônico”

  1. Cícera Feliciano disse:

    Muito forte e expressivo esse texto. Essa realidade, me parece ocorrer em quase todo nosso país, porém na Amazônia a carência certamente e mais gritante. Os governantes não se comprometem com a educação e muito menos com as políticas públicas juvenis. Mas infelizmente há um agravante, a falta de consciência da própria sociedade em relação a situação dos jovens da Amazônia. É hora sim, da Igreja se posicionar concretamente a favor dos jovens e em especial dos jovens mais necessitados. Nós cidadãos precisamos apurar a nossa própria consciência para podermos realmente mudar essa realidade.

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais