O que estamos fazendo pela nossa “Casa Comum?

images (1)

A Terra é a “casa mãe”, por isso, casa de todos. Berço de uma magnífica biodiversidade. Ela providencia todas as condições essenciais para o desenvolvimento pleno de toda e qualquer vida. Embora sacralizada, não escapou da ambição e da cobiça de muitos dos seus filhos. A destruição e o poder da ganância contribuem, constantemente, para a dessacralização da Terra. Para estes, a terra é mercadoria, lugar de conflitos, exploração, exclusão e desencanto. Mas, para outros, é sagrada, protetora e geradora de vida. Na grande teia da vida, o bem-estar da humanidade depende do cuidado e da responsabilidade de cada um de nós, criaturas sagradas.

E, por refletir o tema da Campanha da Fraternidade deste ano: “Casa Comum, nossa responsabilidade”, lembrei-me de “Avatar”, filme que fez muito sucesso em 2009. Já o havia assistido, porém, o enredo é bastante pertinente para a reflexão. Percebendo e analisando os detalhes, a profundidade e a intenção da obra, reparamos que muitas pessoas, todos os dias, estão em busca de uma solução para, ao menos, tentar amenizar a constante ameaça ao planeta terra. O pior é que não são alienígenas ou outros seres que a querem destruir, mas sim, os próprios filhos da Mãe Terra.

A história permeada de valores humanitários: compaixão, solidariedade, confiança, bem comum, união, conexão com o sagrado, acontece dessa maneira: inicialmente, o interesse de algumas pessoas era explorar o que “Pandora” tinha de melhor, o valioso minério chamado Unobtainium, que estava embaixo de uma frondosa árvore, na qual habitavam os diferentes alienígenas nativos de Pandora. Tudo estava em equilíbrio, em perfeita harmonia entre os habitantes e a Mãe Terra. Todo o lugar era sagrado. Possuía uma sacralidade. Perfeita conexão com a divindade, com todos e tudo. Foi então que os inimigos – no caso, os seres humanos – conheceram e exploraram tal lugar. Foram eles, os ditos conhecedores de tudo, que queriam possuir o que mantinha o equilíbrio daquele habitat. Chegaram com suas armas de fogo, atirando sem dó e piedade e nada parecia impedi-los. Ainda bem que nem todos os seres humanos têm tamanha ganância. Pois, havia um grupo que enxergava “Pandora” além do que seus olhos viam. Não era apenas mais um lugar: era o lugar. Lugar que merecia veneração e cuidado, pois ali dependia a vida de um povo. Com tamanhas forças opostas, acontecera um confronto entre os seres humanos e o povo “Omaticaya”. Contudo, o povo venceu a batalha e o equilíbrio e a harmonia voltaram a reinar em seu mundo.

Oxalá, pudéssemos fazer desta ficção uma realidade, na qual pessoas que detêm o poder de mudança exercessem-no para o bem de toda a humanidade. Oxalá, pudéssemos voltar nosso olhar para as pessoas que, metaforicamente, são o povo Omaticaya em “Avatar”, que zelam e veneram a nossa Mãe Terra. Oxalá, desejássemos e concretizássemos que todos os seres vivessem em perfeita harmonia. Portanto, em sintonia com a Campanha da Fraternidade – “Casa Comum, nossa responsabilidade” –, o que estamos fazendo para salvar o nosso planeta?

Por Sandra Michelluzzi Biazotto – professora de Ensino Religioso do Colégio Marista São Luís, de Jaraguá do Sul (SC), da Rede de Colégios do Grupo Marista.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email