O demônio não suporta que os esposos se amem, revela exorcista

Publicado em 7 de agosto de 2014 Por Seja o primeiro a comentar!
Foto: Grupo ACI

Foto: Grupo ACI

“Não suporto que se amem!”, foi a resposta imediata e clara que o demônio deu ao exorcista italiano Padre Sante Babolin durante um momento de oração de libertação, quando o sacerdote lhe questionou porque estava causava problemas à esposa de um amigo.

“Por que este ódio?” Em declarações ao Semanário da Fé, o sacerdote explicou que satanás detesta o matrimônio porque é o sacramento mais próximo à Eucaristia.

“Explico-me: na Eucaristia, nós oferecemos o pão e o vinho ao Senhor, que pela ação do Espírito Santo, convertem-se no Corpo e Sangue de Jesus. No Sacramento do Matrimônio, ocorre algo parecido: pela graça do Espírito Santo, o amor humano se converte no amor divino. Assim, de maneira real e particular, os esposos, consagrados pelo sacramento do matrimônio, realizam o que diz a Sagrada Escritura: ‘Deus é amor: quem conserva o amor permanece em Deus e Deus com ele”, esclareceu o exorcista.

Nesse sentido, Padre Sante abordou o aumento no número de separações, cuja maioria se deve à degradação do amor entre homem e mulher. O sacerdote apontou ainda um trecho da Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI para explicar: “O modo de exaltar o corpo, a que assistimos hoje, é enganador. O eros degradado a puro sexo torna-se mercadoria, torna-se simplesmente uma coisa que se pode comprar e vender; antes, o próprio homem torna-se mercadoria’. E qualquer loja precisa renovar as mercadorias para vendê-la. Assim é do matrimônio fundamentado no sexo sem verdadeiro eros”.

O exorcista recordou que o amor humano e divino, oferecido pelo sacramento do matrimônio, não é um amor instintivo, como não é instintiva a fé em Cristo. Por isso, de acordo com ele, necessita cultivo, vigilância e paciência”.

“À infidelidade se chega com pequenas infidelidades”, ressaltou Padre Sante Babolin ao enfatizar que cada esposo deve ter presente sempre, na sua cabeça e no seu coração, o outro, o diálogo e a confiança.

“O diabo prova os esposos cristãos para levá-los à infidelidade, exatamente porque ele, sendo ódio, não tolera o amor”, assinalou.

Diante desta situação, recomendou que o casal reze junto o terço para que se afaste da tentação da infidelidade, além de praticar atividades que fortaleçam sua união.

Sobre o perdão, o Padre Babolin afirmou que este tem “um papel decisivo”, pois contribui para renovar a graça do sacramento do matrimônio. “Mas o verdadeiro perdão tem que ser um acontecimento excepcional, pois viver o matrimônio em uma constante busca de perdão, significa viver o amor em uma sala de reanimação”, afimou.

Por fim, o sacerdote orienta que o casal busque descobrir, com a ajuda de pessoas competentes na vida de fé e na dinâmica psicológica relacional, as armadilhas do “inimigo do amor”. O sacramento do matrimônio oferece a força do Espírito Santo para que os esposos atuem uma espécie de personalidade corporativa, que realiza um caminho de santidade compartilhada”, assegurou.

Fonte: ACI Digital

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais