Festa de Nossa Senhora Aparecida leva 160 mil pessoas aos Santuário Nacional

Publicado em 13 de outubro de 2011 Por Seja o primeiro a comentar!

Veja também:

Confira a galeria de fotos

Faça o tour virtual no Santuário de Aparecida

Em setembro, 1,3 milhão de peregrinos visitaram a Casa da Padroeira do Brasil. Durante todo o ano de 2010, foram 10,3 milhões de pessoas e, para 2011, o número deve passar de 11 milhões de visitantes. 

“Percebemos um aumento desde o início do ano. E também durante toda a Novena que antecede a Festa, com o crescimento do número de participantes que vêm a Aparecida para viver todo este período aqui”, explica o prefeito de Igreja do Santuário Nacional, Irmão João Batista de Viveiros.

A explicação para tamanho fluxo de pessoas? “É o mistério do afeto materno. Da mesma forma que nas Bodas de Caná, também aqui em Aparecida é Nossa Senhora quem toma a iniciativa de apresentar as necessidades de seus filhos a Jesus. É o olhar de Mãe, de Misericórdia, que acolhe”, acrescenta.

O religioso explica que os peregrinos encontram no Santuário o acesso à Palavra de Deus, aos Sacramentos, especialmente à Confissão, que é um dos principais desafios da pastoral no local. “E também não buscamos reter as pessoas para nós. O Santuário envia para a comunidade. Nosso objetivo é que a Igreja cresça, que os peregrinos se tornem participantes da vida da sua paróquia”.

Maria é o reflexo humano do coração materno de Deus. Por isso, os fiéis recorrem a ela com tanta devoção, pois sentem intuitivamente este amor materno. Sabem que Maria compreende sua dor e seus desejos, entende suas limitações. Reconhecem em Maria a nossa irmã, que viveu como perfeita discípula de Jesus com esperança e coragem. Reverenciam a Senhora Aparecida como Mãe nossa, que reúne os filhos e filhas debaixo de seu imenso manto. Pois o povo costuma dizer: ‘em coração de mãe sempre cabe mais um filho’. No cuidado e na ternura de Maria se reflete a bondade de Deus. No seu canto, chamadoMagnificat, ressoa a voz do Deus que olha com carinho especial para os pobres e injustiçados deste mundo”, refletiu o Arcebispo de Aparecida e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Cardeal Dom Raymundo Damasceno, durante a homilia da Missa Solene em honra à Padroeira do Brasil, neste 12 de outubro, às 10h.

Dom Raymundo destacou que se pode dizer, com certeza, que Maria é reflexo do amor de Deus. “Ela não é fonte. Por isso, no culto católico, Nossa Senhora não ocupa o lugar de Jesus, que é o único mediador entre Deus e a humanidade, como afirma São Paulo, na primeira epístola a Timóteo. Maria consegue as graças que pedimos, mas é Deus que as concede”, explicou.

O cardeal também pediu que a Padroeira e Rainha do Brasil cuide “de nosso amado e continental país, que foi confiado à sua proteção. Que a Senhora Aparecida faça crescer em todos nós a fé em Jesus, o compromisso de anunciá-Lo aos nossos irmãos, a consciência cidadã, a responsabilidade de cuidar também dos mais fracos e de proteger o meio ambiente. Confiantes, suplicamos à Mãe de Jesus que faça de cada um de nós e das nossas comunidades, reflexo da misericórdia de Deus. Alegres, recorremos à Mãe Aparecida, dizendo: ‘Maria, reflexo do coração materno de Deus’, rogai por nós”.

No início de sua homilia, Dom Damasceno também fez um retrospecto da história de devoção à Mãe de Deus sob o título de Senhora Aparecida.

Leituras da Missa

O Arcebispo de Aparecida ressaltou que as leituras da Missa fazem referência ao tema da Festa da Padroeira deste ano: “Senhora Aparecida, reflexo do coração materno de Deus”.

Na primeira Leitura, Ester, órfã de pai e mãe, vive uma trama que a leva a obter a libertação do povo judeu, que tinha sido condenado ao extermínio por um edito real. “A tradição cristã viu no papel desempenhado por Ester em favor do seu povo a prefiguração de Maria, na sua função materna e de advogada nossa diante de Deus. […] No decorrer dos séculos, Nossa Senhora tem sido sempre invocada pelos cristãos em suas súplicas, sobretudo, nos momentos difíceis. Diante de Cristo, mediador entre Deus e os homens, Maria é a nossa mãe, que está continuamente intercedendo por nós seus filhos. Se os santos podem interceder em nosso favor, com maior razão a Virgem Maria, mãe de Deus e nossa mãe!”.

Já no Evangelho, São João faz referência ao conhecido episódio das Bodas em Caná da Galiléia, quando falta vinho. “Quem dá conta da situação de angústia dos noivos é Maria, e ela apenas diz a Jesus: ‘Eles não têm mais vinho’. A resposta de Jesus parece de indiferença à preocupação de Maria. ‘Mulher, porque me dizes isso a mim? Minha hora ainda não chegou’. […] Maria, porém, com plena confiança e esperança de que seu Filho haveria de resolver a situação, diz aos serventes: ‘Fazei tudo o que vos disser’. Este primeiro milagre que se realizou, no inicio de sua vida pública, a pedido de Maria, é o anúncio simbólico da hora de Jesus, da manifestação da sua glória e os seus discípulos creram nele”.

A Missa Solene contou com a presença de diversas autoridades civis e religiosas, com destaque para a senhora Immaculèe Ilibagiza, que sobreviveu, miraculosamente, ao genocídio ocorrido em Ruanda, em 1994. Emigrou para os Estados Unidos e trabalhou nas Nações Unidas (ONU). Mãe de dois filhos, atualmente dedica-se à Fundação que leva o seu nome e busca ajudar outros sobreviventes a se recuperarem dos efeitos traumáticos produzidos pela guerra. 

“Sua sobrevivência é obra da divina providência que preservou sua vida para que pudesse contar sua história e os horrores da guerra e lutar por um mundo mais justo, sem discriminação, sem ódio, sem violência, no qual todos possam viver como filhos de Deus e irmãos uns dos outros. Seja bem-vinda, senhora Immaculèe Ilibagiza, e que Nossa Senhora Aparecida proteja a senhora, sua família e o seu trabalho pela paz”, disse Dom Damasceno.

Por Leonardo Meira, da Canção Nova Notícias

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais