Dia Mundial do Enfermo: o cuidado como carisma de uma juventude samaritana

Dia Mundial do Enfermo: o cuidado como carisma de uma juventude samaritana

Desde 1992, por iniciativa de São João Paulo II, 11 de fevereiro é o Dia Mundial do Enfermo. A data tem o objetivo de chamar a atenção por melhores condições de tratamento e atenção às pessoas que passam por algum tipo de enfermidade.

Em meio a pandemia, recordar a data e invocar a intercessão de Nossa Senhora de Lourdes tem motivos especiais. Com números em alta e milhares de famílias atingidas, o Papa Francisco, em sua mensagem para o Dia Mundial do Enfermo, ressaltou que a crise chamou a atenção para as insuficiências dos sistemas de saúde e as carências na assistência aos doentes. Ao mesmo tempo, o Santo Padre agradeceu pelas belas iniciativas que vem sendo realizadas. “(…) A pandemia destacou também a dedicação e generosidade de profissionais de saúde, voluntários, trabalhadores e trabalhadoras, sacerdotes, religiosos e religiosas: com profissionalismo, abnegação, sentido de responsabilidade e amor ao próximo, ajudaram, trataram, confortaram e serviram tantos doentes e os seus familiares.”

 

O cuidado como carisma

O conforto e o serviço, atitudes destacadas por Francisco na mensagem, são características próprias de diferentes congregações religiosas, entre elas, a dos Camilianos. Fundada por São Camilo de Léllis, a Ordem tem como carisma o cuidado dos enfermos. No Brasil, os religiosos estão presentes há quase 100 anos, atuando em vários estados do território nacional, e com a ajuda da juventude.

Na Arquidiocese de Montes Claros (MG), o carisma de São Camilo está presente no Grupo Missionários do Bom Samaritano. Um dos fundadores é o jovem André Kévny. Ele conta que a missão iniciou em 2010, quando, junto com um amigo, começou a fazer visitas aos enfermos nos hospitais. “Naquele momento nossa experiência era de ser a família daquelas pessoas, pois elas vinham de outras cidades para tratamento de saúde, ficando por dias sem contato com nenhum familiar.”

A espiritualidade e a caridade autêntica de São Camilo foi inspiradora. Hoje ele é o patrono do grupo. “Nós somos alimentados pelo carisma camiliano”, conta André.

Logo no ano seguinte, a iniciativa começou a crescer e as visitas ganharam os moldes dos doutores da alegria, levando sorrisos e orações aos leitos dos hospitais. “Para nós é mais do que um serviço social, é um momento de Deus, para que aquela visita não seja apenas um evento, mas uma forma de vida, uma maneira de despertar o melhor de cada pessoa”, conta André.

“Jesus é o bom-samaritano, nós somos os seus missionários, querendo sempre viver a espiritualidade do Evangelho”.

 

Proximidade

Uma Igreja samaritana é um pedido constante do Papa Francisco. Na mensagem para este Dia Mundial do Enfermo, o Santo Padre insiste que a sociedade é mais humana quando sabe cuidar melhor dos seus membros mais frágeis e atribulados. Este exemplo vemos em São Camilo e também em Maria, invocada como a Senhora de Lourdes.

 “Que Ela, da Gruta de Lourdes e dos seus inumeráveis santuários espalhados por todo o mundo, sustente a nossa fé e a nossa esperança e nos ajude a cuidar uns dos outros com amor fraterno.” Papa Francisco

Por Pedro Colatusso, da Redação Jovens Conectados

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email