Coordenação da Pastoral Juvenil Nacional: Horizontes e Desafios

Publicado em 20 de fevereiro de 2014 Por Seja o primeiro a comentar!


Entre os últimos dias 1º e 4, no Colégio Santa Inês, em São Paulo (SP), a Coordenação da Pastoral Juvenil Nacional e a Equipe de Subsídios da CNBB estiveram reunidas para elaborar os subsídios do Dia Nacional da Juventude (DNJ-2014) e da Jornada Diocesana da Juventude (JDJ).

O caminho pensado para o DNJ 2014 está em sintonia com a Campanha da Fraternidade, que, neste ano, aborda um tema que merece muita atenção e reflexão. Com este intuito, o lema escolhido foi: “Feitos para sermos livres, não escravos” (CAPYM, 430), e a iluminação Bíblica: “Eis o que diz o Senhor: Praticai o direito e a justiça, e livrai o oprimido das mãos do opressor” (Jr 22, 3a).

Para este e os próximos anos, a equipe irá propor um tema, objetivo e assunto a ser trabalhado, uma vez que percebeu a importância de que cada expressão juvenil aplique o subsídio de acordo com a metodologia que costuma trabalhar com seus jovens. Os encontros serão elaborados para que o jovem enxergue as diversas faces do trabalho escravo oculto na manutenção de grandes marcas; o objetivo é que ele desperte, em si, a percepção de que, até no seu próprio bairro e região, é possível existir condições análogas ao tráfico humano até então despercebidas. Outro indicativo será o consumismo:  por meio dele, os jovens tornam-se reféns e até participantes indiretos dessa problemática – é preciso ter senso crítico do que está sendo consumido.

No que tange às Jornadas Diocesanas da Juventude, haverá anualmente uma mensagem do papa Francisco para as JDJs. Em 2014, a nível diocesano, ela será celebrada em 13 de abril, com a mensagem: “Felizes os pobres em espírito, porque deles é o Reino do Céu” (Mt 5, 3). Para esse dia, os grupos poderão fazer vários eventos – de vigílias a shows de talentos. Na JDJ, terá início o caminho a ser percorrido até o terceiro domingo de outubro, quando será celebrado o DNJ.

Coordenação Nacional

Para o assessor nacional da Comissão Episcopal para a juventude, pe. Antonio Ramos do Prado (pe. Toninho),  “esse encontro foi especial porque a maioria dos membros da coordenação eram novos. Também especial porque a coordenação anterior, após a análise das JDJ e do DNJ, percebeu que é necessário fazer um caminho entre elas. Dessa forma, um antigo membro da coordenação nacional – Thiesco Crisóstomo – foi convidado para falar sobre esse processo. O encontro também foi importante para divisão de responsabilidades entre os novos membros da coordenação, a fim de agilizar e dinamizar o trabalho”. Para Anderlon Mendes, da Comunidade Obra de Maria, novo representante das Novas Comunidades, é muito importante estar nesse espaço de construção para reforçar o protagonismo da juventude, que quer mostrar o seu rosto. “Esperamos que esses subsídios atendam a todas as expressões juvenis, e queremos que a JDJ e o DNJ possam unir essas diversas expressões”, ressalta. Para Iago Ervanovite, representante da Pastoral da Juventude Estudantil (PJE), esse encontro foi importante para manter a unicidade dos jovens: “a juventude da Igreja no Brasil se expressa de diversas formas, e nós precisamos dialogar com todas as expressões juvenis. Estamos preparando a JDJ e DNJ, as duas maiores festas das diversas expressões juvenis que se reúnem para celebrar o próprio Cristo, que é caminho, verdade e vida”. O assessor nacional da comissão completa: “queremos agradecer todos que contribuíram com esse processo. De modo especial os antigos membros da Coordenação Nacional”.

 

Em breve, o material da JDJ e DNJ estarão disponíveis.

Conheça a atual Coordenação da Pastoral Juvenil.

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais