Conselhos do Papa Francisco aos estudantes

Conselhos do Papa Francisco aos estudantes

No dia 11 de agosto, comemora-se o Dia do Estudante. Por conta da pandemia, milhões de estudantes ao redor do mundo precisaram encontrar novas formas de seguir o caminho de aprendizados por meio da internet e das tecnologias. O Papa Francisco, na Missa na Casa Santa Marta, no último dia 13 de maio, colocou em suas intenções estudantes e professores. “Rezemos hoje pelos estudantes, os jovens que estudam, e os professores que devem encontrar novas modalidades para seguir adiante no ensino: que o Senhor os ajude neste caminho, lhes dê coragem e também sucesso”.

Papa Francisco (Foto: Rede Século 21).

De forma recorrente o Santo Padre se dirige aos estudantes. Por isso, resgatamos alguns pontos destacados por Francisco em um encontro com jovens estudantes, no Vaticano, no ano passado.

Inclusão, respeito e colaboração

Para Francisco, as escolas devem ser conhecidas como espaços de inclusão, respeito pela diversidade e colaboração mútua.

“A Igreja está comprometida, nas pegadas do Concílio Vaticano II, em promover o valor universal da fraternidade, baseada na liberdade, na busca honesta da verdade, na promoção da justiça e da solidariedade, especialmente para os mais fracos. Sem a atenção e a busca destes valores, não pode haver uma coexistência pacífica real”.

Nos passos de São Luís Gonzaga, padroeiro da juventude

O Santo Padre também destaca duas virtudes da vida de São Luís Gonzaga que devem fazer parte do dia a dia dos estudantes: as escolhas de vida, sem se deixar levar pelo carreirismo e pelo “deus dinheiro”:

“Há tanta necessidade de jovens, que saibam agir desta maneira, colocando o bem comum acima dos interesses pessoais! Por isso, é preciso cuidar da própria interioridade, através do estudo, da pesquisa, do diálogo educativo, da oração e da escuta da própria consciência. Tudo isso pressupõe a capacidade de criar espaços de silêncio”.

Menos celular, mais silêncio para ouvir a voz da consciência

Francisco encoraja os estudantes “a não terem medo do silêncio e de suas consequências, de estar sozinhos, de escrever o próprio diário. Livrem-se do vício de estar no celular! Somente no silêncio interior pode-se ouvir a voz da consciência e distinguir as vozes do egoísmo e do hedonismo”.

Na Christus Vivit, Francisco também fala do estudo como uma oportunidade de abrir a mente e encontrar sentido na vida, à luz da fé.

“Demasiadas vezes vivemos condicionados por modelos de vida banais e efêmeros, que estimulam a perseguir o sucesso a baixo preço, desacreditando o sacrifício, inculcando a ideia de que o estudo não serve, se não leva imediatamente a algo de concreto. Mas não! O estudo serve para se questionar, para não se deixar anestesiar pela banalidade, para procurar um sentido na vida.”

Por Pedro Colatusso, da Redação do Jovens Conectados.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email