Cirineu, a esperança e os jovens: peregrinos brasileiros na Via Sacra da JMJ

A oitava estação da Via Sacra apresenta o auxílio que Simão de Cirene dá para Jesus, que segue rumo ao cavário. O Cirieneu, tirado da multidão pelos soldados romanos, toma aos ombros o pesado madeiro carregado por Cristo.

Esta “parada” da Via Crucis foi apresentada por jovens brasileiros, durante a JMJ,  e trouxe como tema da oração a “Esperança”, palavra que, segundo Leandro Tavares, apresenta o caminho que Jesus escolheu para si.

O Jovem cearense de 23 anos foi um dos brasileiros que participou da Via Sacra e diz que cada jovem que caminha com Cristo, pode ser um sinal de esperança. “O jovem pode ser sinal da Esperança e da Paz testemunhando a Cruz de Cristo, em seu dia a dia, na sua faculdade, trabalho, círculo de amigos, família e comunidade. E testemunhá-la com alegria, pois foi esse o caminho que Jesus escolheu para si. Não como um caminho de sofrimento somente, mas como caminho para a Eternidade. Porque, afinal de contas, tudo aponta para lá: para a Vitória de Jesus sobre a morte!”, declarou Leandro.

Jovens brasileiros se preparando para a Via Sacra. (Foto: Jovens Conectados).

“Para mim é uma alegria poder participar da Via Sacra e meditar a paixão, morte e ressureição de Jesus representando o Brasil”, afirmou Letícia Mazzoni, jovem riopretense, de 18 anos, que sente-se chamada a “avançar avançar sempre mar a dentro e levar a Cruz de Cristo até o corações de todos os jovens”. “É assim que desejo testemunhar a esperança de ser uma jovem cristã, de saber que apesar de qualquer dificuldade, Deus sabe e cuida de todas as coisas. Juntos, contemplando a Cruz de Senhor, com os olhos fixos Nele, podemos alcançar o Céu”, concluiu.

Destemor e decisão para ser sinal de esperança

Voluntário na Fazenda da Esperança, Lucas Ricardo, de 25 anos, diz que o convite para participar da Via Sacra reforça ainda mais a mensagem central da Jornada. “Não ter medo de estar disposto a dar nosso sim ao Projeto de Deus em nossas vida, para sermos sinal de esperança”, declarou.

Um sentimento partilhado por Josemar Malanczuk, natural de Blumenau (SC), que entende a necessidade da decisão de ajudar os outros a levar a sua cruz, como fez Cireineu. “Temos como missão, ajudar aqueles que caminham ao nosso lado, devemos muitas vezes, diminuir o passo para andar ao lado daqueles que precisam. Devemos apontar a direção, precisamos ser promotores da esperança”, concluiu.

Por Maurício Lucena, do Jovens Conectados.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email