Santa Dulce dos Pobres: um presente para Igreja

Publicado em 15 de outubro de 2019 Por Seja o primeiro a comentar!

Foto: Franco Origlia/Getty Images – Irmã Dulce enxergava nos pobres o rosto sofredor de Jesus

Dom Murilo Krieger, Arcebispo de Salvador e primaz do Brasil esteve em Roma nestes dias para a canonização da Irmã Dulce. Em entrevista ao Vatican News, o Primaz do Brasil repassou o caminho de santidade da religiosa, um caminho ao qual todos somos chamados.

Antes de retornar ao Brasil nesta terça-feira, 15, o Arcebispo de São Salvador da Bahia e Primaz do Brasil, Dom Murilo Sebastião Ramos Krieger, falou ao Vatican News sobre a Santa Dulce dos Pobres, destacando que com seu testemunho ela “nos mostra que tudo é possível. Tudo é possível para aquele que crê”. Ela tinha uma força interior extraordinária e “a santidade está ao alcance de todos”.

O Primaz do Brasil recorda que no próximo domingo, dia 20 de outubro, haverá uma grande celebração em homenagem à Santa Dulce dos Pobres no Estádio Fonte Nova, em Salvador. Somente 54 mil fiéis poderão entrar no Estádio e os ingressos esgotaram-se há mais de um mês, o que demonstra o grande carinho que a população da Bahia e não só tem por Irmã Dulce.

Dom Murilo concelebrou com o Papa Francisco a Missa com as canonizações na Praça São Pedro no domingo, e na segunda-feira, às 10 horas, presidiu a Celebração Eucarística de Ação de Graças pela canonização de Irmã Dulce na Basílica Sant’Andrea della Valle, no Corso Vittorio Emmanuele, lotada de brasileiros.

Na Missa foi concelebrada por um grade número de bispos e sacerdotes. Ao final da celebração, muita emoção com a voz do Padre Antônio Maria na homenagem a Santa Dulce dos Pobres, o canto angelical das irmãzinhas da mesma Congregação da religiosa, e o Te Deum.

Dom Tommaso Cascianelli, que foi orientador espiritual de Irmã Dulce e acompanhou a religiosa nos últimos anos de sua vida, atém-se à mensagem da  Santa para o mundo e a herança de sua obra social. Disse, entre outros, que a mensagem de Irmã Dulce é que somos todos filhos do mesmo Pai,  ela era o “Anjo bom da Bahia”.

Canonização da Ir. Dulce dos Pobres

Diante de uma Praça São Pedro lotada, o Santo Padre, Papa Francisco, concedeu a honra dos altares à Irmã Dulce dos Pobres, primeira mulher brasileira a ser declarada santa. Canonizada em 13 de outubro de 2019,  Santa Dulce tem sua festa litúrgica celebrada em 13 de de agosto.

Antes dela, apenas uma outra mulher, Santa Paulina, nascida na Itália e radicada no Brasil, havia recebido o título de santa brasileira, além de outras cinco mulheres, mártires de Cunhaú e Uruaçu, mortas em 1645, no Rio Grande do Norte.

Junto com Irmã Dulce, a Igreja ganhou mais quatro santos: John Henry Newman, Giuseppina Vannini, Mariam Thresia Chiramel Mankidiyan e Marguerite Bays.

Diversas autoridades estiveram presentes na cerimônia, entre elas o vice-presidente da República, General Hamílton Mourão e sua esposa, o príncipe Charles da Inglaterra, entre outros. Na comitiva brasileira também estiveram presentes os presidentes do Senado e da Câmara, David Alcolumbre e Rodrigo Maia; Rui Costa, governador da Bahia, e ACM Neto, prefeito de Salvador.

Na fórmula de canonização, o Papa Francisco disse o seguinte: 

“Em honra da Santíssima Trindade, pela exaltação da fé católica e para incremento da vida cristã, com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e Nossa, depois de refletir por muito tempo, ter invocado a ajuda divina e ouvido a opinião de muitos Irmãos no Episcopado, declaramos e definimos Santos os beatos John Henry Newman, Giuseppina Vannini, Mariam Thresia Chiramel Mankidiyan, Dulce Lopes Pontes e Marguerite Bays, e os inscrevemos no registro dos santos, estabelecendo que em toda a Igreja eles sejam devotamente honrados entre os santos. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”.

“Caridade maternal e carinhosa”: a biografia de Santa Dulce dos Pobres

No início da cerimônia, o cardeal Angelo Becciu falou sobre a biografia de Irmã Dulce:

“Irmã Dulce concretizou plenamente a sua ação caritativa com a fundação de uma associação de obras sociais e a construção de uma casa de acolhimento, o ‘Albergue Santo Antônio’. Sua caridade era maternal, carinhosa. A sua dedicação aos pobres tinha uma raiz sobrenatural e do Alto recebia forças e recursos para dar vida a uma maravilhosa atividade de serviço aos últimos. Os últimos meses da vida da Beata estiveram marcados pela doença, que enfrentou com serenidade e completo abandono nos braços do Senhor. Em 13 de março de 1992, Irmã Dulce faleceu em São Salvador da Bahia, nimbada de grande fama de santidade. Em 3 de abril de 2009, o Papa Bento XVI reconheceu a heroicidade das suas virtudes e, em 22 de maio de 2011, celebrou-se o rito de sua Beatificação.”

canonização de Irmã Dulce havia sido anunciada em maio de 2019, após o reconhecimento de um segundo milagre atribuído à intercessão do ‘Anjo Bom da Bahia’, como Irmã Dulce é conhecida entre seus devotos. O milagre anterior havia sido reconhecido em 2010, servindo como causa de sua beatificação.

Veja abaixo a oração oficial a Santa Dulce dos Pobres.

ORAÇÃO A SANTA DULCE DOS POBRES

Senhor nosso Deus, lembrados de vossa filha, a santa Dulce dos Pobres,
cujo coração ardia de amor por vós e pelos irmãos,
particularmente os pobres e excluídos, nós vos pedimos:
dai-nos idêntico amor pelos necessitados;
renovai nossa fé e nossa esperança e concedei-nos,
a exemplo desta vossa filha,
viver como irmãos, buscando diariamente a santidade,
para sermos autênticos discípulos missionários de vosso filho Jesus.
Amém.

Adaptação Redação do Jovens conectados, com informações da Vatican News, CNBB e Canção Nova.

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais