Homilia do cardeal Stanislaw Rylko na missa de 1 de dezembro de 2012

Homilia do cardeal Stanislaw Rylko na missa de 1 de dezembro de 2012

Card. Stanisław Ryłko

Presidente

Pontifício Conselho para os Leigos

Cidade do Vaticano

 

 

Encontro Nacional de Assessores da Pastoral Juvenil
em preparação à JMJ 2013

 

CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

Brasília, 1 de dezembro de 2012

 

HOMILIA

 

Nestes dias estais aqui reunidos, em Brasília, como assessores da Pastoral Juvenil de todo o país, para refletir sobre o tema “A Juventude no Ano da Fé” e programar esta etapa final de preparação da Jornada Mundial da Juventude que se realizará no Rio de Janeiro em julho do próximo ano. Saúdo de coração Sua Eminência, o Cardeal Raimundo Damasceno, presidente da Conferência Episcopal brasileira, o Núncio Apostólico, Dom Giovanni D’Aniello, Dom Eduardo Pinheiro e a todos vós, caríssimos amigos.

Como bem sabeis, o Santo Padre, em sua Mensagem aos Jovens por ocasião da próxima JMJ, toca um tema que é o coração de cada Jornada Mundial da Juventude: a evangelização. “Ide e fazei discípulos entre as nações” (Mt 28,19) é o texto bíblico sobre o qual os jovens são chamados a refletir, a fim de responder com entusiasmo ao apelo do Senhor para que se tornem seus discípulos e missionários. Como escrevia o Beato João Paulo II: “a Igreja tem muitas coisas a dizer aos jovens e os jovens têm tantas coisas a dizer à Igreja” (Christifidelis laici, n. 46). Nestes quase trinta anos de caminhada as JMJs tornaram-se um instrumento de extraordinária eficácia deste importante diálogo.

Na exortação apostólica Verbum Domini, o Papa Bento XVI escreve: “Os jovens já são membros ativos da Igreja e representam o seu futuro. Muitas vezes encontramos neles uma abertura espontânea à escuta da Palavra de Deus e um desejo sincero de conhecer Jesus. De fato, na idade da juventude, surgem de modo irreprimível e sincero as questões sobre o sentido da própria vida e sobre a direção que se deve dar à própria existência. A estas questões, só Deus sabe dar verdadeira resposta…”. Logo depois de ter delineado o quadro geral do mundo dos jovens, o Papa dá algumas indicações muito concretas a todos os operadores da pastoral juvenil: “Esta solicitude pelo mundo juvenil implica a coragem de um anúncio claro; devemos ajudar os jovens a ganharem confidência e familiaridade com a Sagrada Escritura, para que seja como uma bússola que indica a estrada a seguir. Para isso, precisam de testemunhas e mestres, que caminhem com eles e os orientem para amarem e por sua vez comunicarem o Evangelho sobretudo aos da sua idade, tornando-se eles mesmos arautos autênticos e credíveis” (n. 104). Eis o grande desafio que nos é continuamente lançado em cada nova edição da Jornada Mundial da Juventude.

Na primeira leitura, tirada do livro do Apocalipse, S. João narra a belíssima visão que o anjo do Senhor lhe mostra (Cfr. Ap 22, 1-5). O “rio de água viva”, do qual o apóstolo nos fala, remete às águas do Batismo, sacramento que somos chamados a redescobrir de modo particular nesse Ano da Fé. O trabalho pastoral que fazemos com os jovens não é outra coisa senão uma verdadeira e própria iniciação cristã, uma redescoberta do Batismo. Como já dizia o Papa Bento XVI, com o Batismo inicia-se a “aventura jubilosa e exaltante do discípulo. (…). É o Batismo que ilumina com a luz de Cristo, que abre os olhos ao seu esplendor e introduz no mistério de Deus através da luz divina da fé”[1].

Na homilia da Missa de conclusão do Sínodo sobre a Nova Evangelização, o Santo Padre apresentava o cego Bartimeu como imagem do homem de hoje, daqueles que necessitam da luz da fé para conhecer verdadeiramente a realidade e caminhar pela estrada da vida. Bartimeu não é um cego de nascença, mas perdeu a vista e, no encontro com Cristo, readquire a luz que havia perdido e, com ela, a plenitude da sua própria dignidade.

Queridos amigos, quantos jovens do nosso tempo, como Bartimeu, perderam a luz e caminham nas trevas, buscando muitas vezes refúgio em mundos paralelos, como por exemplo o mundo das drogas de todo o tipo, de uma sexualidade mal vivida, ou de um consumismo fácil. Entram assim em um caminho de ilusão, aparência e mentira[2]. Estes jovens têm necessidade de tantos bons samaritanos, que os levem ao encontro com Cristo, o único capaz de curar a cegueira do homem e mudar a sua vida. Necessitam urgentemente de guias espirituais, amigos e seguros, que os conduzam a esta experiência com Jesus, Caminho, Verdade e Vida. Eis a grande missão que a Igreja confia a todos vós, que sois empenhados na pastoral com os jovens e na preparação da próxima JMJ do Rio em 2013.

Mas também nós, que operamos no campo da pastoral juvenil, necessitamos de cura. E a doença mais grave que nos pode ameaçar é o desânimo, o cansaço, a rotina… Talvez não raramente o Espírito Santo nos exorte com as palavras dirigidas ao anjo da Igreja de Éfeso, no Apocalipse: “Mas tenho contra ti que arrefeceste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, donde caíste. Arrepende-te e retorna às tuas primeiras obras” (Ap 2,4-5). Precisamos manter acesa a chama do amor de Deus que arde em nossos corações! É necessário conservar sempre uma santa paixão e uma santa inquietação, que nos impulsionem a buscar incansavelmente vias sempre novas, para que o anúncio do Evangelho alcance os jovens de hoje.

Aqui estamos reunidos, queridos amigos, nesta celebração eucarística, exatamente porque queremos beber desta água viva, que nos vem pela Palavra de Deus e que torna fecunda toda obra de evangelização. Confiemos a Maria, Estrela da nova evangelização, esta última etapa de preparação da Jornada Mundial da Juventude do Rio em 2013.


[1] Bento XVI, Homilia na Festa do Batismo do Senhor, 10 de janeiro de 2010.

[2] Cfr. Bento XVI, Encontro com os jovens libaneses, 15 de setembro de 2012.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email