Comitê Organizador diz que preparação para JMJ é momento de comunhão

Comitê Organizador diz que preparação para JMJ é momento de comunhão

col_enapj

Veja também:
Apresentação do Monsenhor Joel
Assessores refletem sobre Campanha da Fraternidade e o pós-Jornada
Assessores da Pastoral Juvenil discutem oportunidades e desafios para a evangelização dos jovens
Encontro Nacional de Assessores da Pastoral Juvenil: Evangelizar é viver a fé
Comitê Organizador diz que preparação da JMJ é momento de comunhão
VÍDEO: Como foi o encontro nacional de assessores da Pastoral Juvenil
Confira as FOTOS do encontro

Na tarde de sábado (1), o Encontro Nacional de Assessores da Pastoral Juvenil teve o Comitê Organizador Local (COL) da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que será no io de Janeiro em 2013, apresentando as ideias gerais sobre a organização deste grande evento. Transporte de peregrinos, hospedagem e a importância da JMJ para o futuro da evangelização da juventude no Brasil foram alguns dos assuntos discutidos.

O Monsenhor Joel Portella, secretário executivo do COL, expôs as maiores necessidades e algumas das dificuldades deste processo. “Como nunca teve nada parecido no Brasil, temos de explicar sempre o que é a jornada, mostrar que o nosso foco não é o fim lucrativo, senão evangelizar e proporcionar aos jovens uma boa experiência, a partir, claro de uma estrutura que os possa receber”, disse.

Segundo o secretário, a jornada exigirá que todos os participantes estejam preparados e citou algumas vezes a importância de todos os jovens terem um verdadeiro ‘espírito de peregrinação’.

Além disso, Portella destacou alguns aspectos que devem ser lembrados a todos os grupos que desejam participar da JMJ. “Se o grupo de inscritos tiver fretado um ônibus, por exemplo, o transporte só irá circular no Rio de Janeiro se ele estiver previamente credenciado junto ao COL e a prefeitura da cidade”, relembrou.

Como sugestão para cidades que podem receber peregrinos como hospedeiras, além da própria capital, o Monsenhor citou Niterói, Duque de Caxias e Nova Iguaçu. “Elas serão arquidioceses que poderão acolher os jovens, porque estão perto do Rio de Janeiro. Queremos centralizar as atividades da catequese e do festival da juventude em uma área que fica entre essas sub-sedes. Assim, os jovens poderão conviver com as comunidades locais, estabelecer vínculos e viver boa parte da Jornada, mas devem estar preparados, pois diariamente, todos poderão andar de 6 a 13 km, de maneira que não dependam tanto do sistema de transporte público”, alertou.

E talvez o grande fruto da Jornada Mundial da Juventude será o legado que ela deixará para o Brasil, de acordo com Monsenhor Joel. “Não teria sentido fazer um evento como esse se ele apenas deixasse lixo. Além de recarregar a bateria dos jovens, que terão um grande encontro com Jesus, muitos deles se engajarão em suas paróquias. Também teremos uma interação cultural de outros povos e a prática da caridade, com uma campanha de combate as drogas”, destacou.

Ele também ressaltou a importância de cerca de 8 mil voluntários que o evento receberá e lembrou porque todos têm de pagar para participar do evento, por meio da inscrição. “Os voluntários são os cérebros da jornada. Quanto maior o amor, maior a contribuição. Se o coração for generoso, ele irá vibrar pela jornada. Isso vale para todos os participantes, que irão contribuir com oração, trabalho e com as finanças. Preparar a jornada é um momento de forte comunhão”, refletiu.

Sobre a escolha do novo local destinado para a vigília que deve receber 2 milhões de jovens, a cidade de Guaratiba, divulgada na última quarta-feira (28), Monsenhor Joel Portella incitou o jovem a se preparar para este grande momento de caminhada e de encontro com Cristo e com outros jovens.

“Nos vamos estar em Copacabana, porque é um local que recebe grandes eventos mundiais e não poderíamos ficar de fora. Mas o principal momento da JMJ será em Guaratiba, uma região muito pobre. Lá, renovaremos nosso compromisso missionário. A cidade receberá investimentos e melhorias e isso será um benefício para a população local. É essa população sofrida que vai receber o santo Padre, mesmo que para chegar lá, seja preciso caminhar até 13km em peregrinação. Será a força do testemunho”, concluiu.

Semana Missionária

Em um segundo momento do sábado, o Padre Jefferson Araújo, responsável pela Semana Missionária, dentro do Comitê Organizador Local da JMJ, explicou como deve ser esse evento de pré-jornada, com início no dia 16/7, em todas as dioceses do Brasil.

“Será uma experiência cultural e de fé. Queremos envolver a juventude local em campanhas e projetos de solidariedade, a partir da edificação do amor. Essa, será uma missão protagonizada pelos jovens, por isso, eles devem estar envolvidos”, disse.

E alguns lugares já começaram a se organizar para receber os peregrinos.

É o caso de Natal, Paraíba, Olinda, Pernambuco e Recife, que juntos receberão cerca de 18 mil jovens estrangeiros. Essas dioceses já elaboraram uma comissão para se organizarem e dividiram funções. Além disso, elas realizaram parcerias com centros de línguas, que disponibilizaram bolsas em alemão, inglês e espanhol. Assim, as equipes poderão receber com mais preparação os jovens.

Segundo o padre Alex Cordeiro, da arquidiocese de Curitiba, as cidades já deveriam ter começado a se organizar para a Semana Missionária. “Começamos a trabalhar em 2011. Queria envolver os adultos com os jovens e estimular a evangelização. Nosso objetivo é despertar a paixão do jovem em toda a igreja e a na sociedade, por isso, a cidade inteira tem de ser animada com esse projeto. Estamos com duas equipes de trabalho: uma para a semana missionária e uma para a Jornada. A arquidiocese deve acolher 30 mil jovens”, disse.

Na cidade de Palmas, haverá uma reunião com os representantes de todas as paróquias no próximo fim de semana e, durante a quaresma, no ano que vem,

os integrantes do setor juventude da arquidiocese farão missões na cidade para animar e convidar os jovens para a semana missionária. Para mais informações entre em contato pelo e-mailsemanamissionaria@cnbb.org.br.

Programação da JMJ

23/7 – Missa de abertura às 20h, presidida por Dom Orani Tempesta, arcebispo local

24/07 a 26/7 – Catequeses por grupos linguísticos

25/7 – Acolhida do Santo Padre, Bento XVI, na praia de Copacabana

26/7 – Via Sacra, na praia de Copacabana

27/7 – Deslocamento para a vigília, em Guaratiba

28/7 – Santa Missa celebrada pelo papa

Para mais informações sobre a JMJ acesse: www.rio2013.com

Por Amandda Souza

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email