“Vós, queridos jovens, não sois o futuro, mas o agora de Deus”, afirma Papa Francisco em sua homilia no encerramento da JMJ

Publicado em 27 de janeiro de 2019 Por Seja o primeiro a comentar!

A Jornada Mundial da Juventude de 2019 chegou ao final neste domingo, 27, no Panamá, com a missa de envio no Campo San Juan Pablo II, em Metro Park, presidida pelo Papa Francisco, que deixou seu recado: “vós, queridos jovens, não sois o futuro, mas o agora de Deus”.

Durante sua homilia, inspirada pelo Evangelho de Lucas 4;4,14-21, o Papa lembrou que Jesus, quando diz na Sinagoga que “cumpriu-se hoje esta passagem da Escritura que acabais de ouvir” (Lc, 4,21), “revela o agora de Deus, que vem ao nosso encontro para nos chamar, também a nós, a tomar parte no seu agora” e chamou atenção para que os jovens sejam cuidadosos, pois muitas vezes acreditam que suas vocações e missões são para o futuro, o que é um grande engano. Deus nos dá o agora.

Papa Francisco em frente ao ambão durante homilia na missa final da JMJ 2019

O pontífice destacou que “nem sempre acreditamos que Deus possa ser tão concreto no dia-a-dia, tão próximo e real, e menos ainda que Se faça assim presente agindo através de alguém conhecido, como um vizinho, um amigo, um parente”, pois por inúmeras vezes acreditamos que Deus é algo supremo e que não pode ser tocado, esquecendo que “o amor divino pode ser concreto e quase experimentável na história com todas as suas vicissitudes ásperas e gloriosos”. E comparou as pessoas como os vizinhos de Nazaré de Jesus, que preferiam um Deus distante, que fosse bom, generoso, mas distante.

“Ele não quis manifestar-Se de modo angélico ou espetacular, mas quis dar-nos um rosto fraterno e amigo, concreto, familiar. Deus é real, porque o amor é real; Deus é concreto, porque o amor é concreto. E é precisamente esta «dimensão concreta do amor aquilo que constitui um dos elementos essenciais da vida dos cristãos»”, disse o santo padre citando o Papa Emérito Bento XVI.

Praticar a escuta

Francisco também fez menção ao XV Sínodo dos Bispos de 2018, “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, e lembrou que “um dos frutos do Sínodo recente foi a riqueza de nos podermos encontrar e, sobretudo, escutar”. E a escuta deve ser feita por todas as idades. Os jovens devem escutar os mais velhos, os idosos, escutar as experiências que viveram, os conselhos que têm. Assim como também os jovens precisam ser ouvidos.

Papa Francisco em frente ao altar com a imagem de Jesus ao fundo e de Maria ao lado direito.

Como bom exemplo de escuta e de vivencia do agora, Papa Francisco citou Maria, que disse sim para o presente e viveu intensamente o seu chamado. “Ao longo de todos estes dias, como um fundo musical, acompanhou-nos de modo especial o «faça-se» de Maria. Ela não Se limitou a acreditar em Deus e nas suas promessas como algo possível, mas acreditou em Deus e teve a coragem de dizer «sim» para participar neste agora do Senhor. Sentiu que tinha uma missão, apaixonou-Se, e isso decidiu tudo. “

E finalizou a homilia pedindo que os jovens percebam no outro a presença viva de Cristo no meio de nós, assim como na Sinagoga ele se colocou de pé e disse que a Palavra havia se cumprido no hoje: “Quereis viver em concreto o vosso amor? O vosso «sim» continue a ser a porta de entrada para que o Espírito Santo conceda um novo Pentecostes ao mundo e à Igreja”.

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais