Posição do Conselho Federal de Medicina está longe de ser unanimidade entre médicos

Publicado em 22 de março de 2013 Por Seja o primeiro a comentar!

O assessor da Comissão para a Vida e Família, da CNBB, comenta a decisão do Conselho Federal de Medicina, que decidiu apoiar a permissão para que o aborto possa ser feito por qualquer motivo em fetos de até 12 semanas. Veja a seguir.“Num posicionamento recente, a Associação Espanhola de Bioética e Ética Médica, de um país onde o aborto é amplamente permitido, afirma que “a destruição do feto no seio materno não é um ato médico. […] Por isso, qualquer profissional da saúde pode se opor a realizar tal ato, ou colaborar com ele, por não ser uma obrigação derivada do exercício de sua profissão.”

Diante da recente declaração do Conselho Federal de Medicina sobre a possibilidade de ampliação do aborto “legal” no Brasil até o terceiro mês de gestação, afirmou o Dr. João Batista Soares, presidente do Conselho Regional de Medicina-MG. “Não é uma questão religiosa. Enquanto médicos, entendemos que nossa obrigação primeira é com a vida. Existem situações especiais que justificam [o aborto]. Agora, simplesmente porque a mulher não quer ter aquele filho, aí somos contra.” O Conselho Regional de Medicina de Minas aprovou um texto contrário à proposta do Conselho Federal. Dr. Soares ainda lembra que um terço dos conselheiros foi contra a proposta, não sendo assim unânime.

Dom João Carlos Petrini, Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e Família da CNBB, afirmou para a Folha que “o que consideramos grave nesse contexto é o poder ‘educativo’ que é deseducativo, na verdade – que um órgão importante como o Conselho Federal de Medicina tem, o poder de criar mentalidades”. E acrescentou que a escolha da vida deve prevalecer: “Do contrário, se fortalece uma mentalidade que favorece o recurso à violência e à morte. E justamente num contexto em que o Brasil está assolado por índices de violência que nos colocam em situação parecida com países que estão em guerra.”

Vê-se, na posição do Dr. João Batista que a declaração do Conselho Federal de Medicina está longe ser unânime entre os médicos dos conselhos, quanto mais de todo o Brasil.

Ademais, ainda não se viu o Conselho se dirigir à imprensa com tanta força para se declarar por melhores condições no âmbito da saúde no Brasil, que há muito pede socorro. Espera-se que o Conselho Federal de Medicina não esteja somente querendo fazer o jogo político e econômico ditado por pressões ideológicas, pois o Brasil poderia e deveria estar aprendendo com os países onde o aborto foi legalizado. Por exemplo, Portugal aumentou 30% o número de abortos depois de sua legalização, tendo como efeito gastos elevadíssimos para a saúde pública.

Há tantas outras e maiores urgências na área da saúde da mulher para se evitar a mortalidade feminina que mereceriam maior ênfase.

Por isso, médicos, e todo cidadão brasileiro, tem direito de reagir em relação a tal posicionamento.”

Pe. Rafael Fornasier, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e Família, da CNBB

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais