Música na Evangelização: Arte, Serviço e Desafio

Publicado em 31 de agosto de 2017 Por Seja o primeiro a comentar!

“Quem canta, reza duas vezes.”. O ditado popular reflete claramente a importância da música em uma vida de fé, uma canção tem o poder de nos aproximar ainda mais de Deus, nos tocar e acalmar um coração aflito. Quantas respostas já não chegaram através de uma canção?

Além disso, a música é uma arte que é parte importante da liturgia. De acordo com o Catecismo da Igreja Católica (CIC): “O canto e a música desempenham sua função de sinais de maneira tanto mais significativa por ‘estarem intimamente ligados à ação litúrgica’, segundo três critérios principais: a beleza expressiva da oração, a participação unânime da assembleia nos momentos previstos e o caráter solene da celebração. Participam assim da finalidade das palavras e das ações litúrgicas: a glória de Deus e a santificação dos fiéis: ‘Quando chorei ouvindo vossos hinos, vossos cânticos, os acentos suaves que ecoavam em vossa Igreja! Que emoção me causava! Fluíam em meu ouvido, destilando a verdade em meu coração. Um grande elã de piedade, e elevava, e as lágrimas corriam-me pela face, mas me faziam bem’.”. Assim, nas celebrações eucarísticas, é muito importante que as músicas estejam de acordo com a liturgia para que tudo flua harmonicamente.

E não importa se é o ministério de música da sua paróquia ou um já conhecido pelo país, colocar este dom a serviço da evangelização tem a mesma importância, por isso, é fundamental que esta seja sempre a primeira intenção, o servir, facilitar a aproximação de Deus com o homem.

Para a cantora Raquel Carpejani, da Comunidade Recado, a música na Evangelização é extremamente importante e necessária. “O próprio Santo Agostinho foi evangelizado pela música. Quantos de nós não tivemos nosso encontro pessoal com Deus através de uma canção? Por isso, ela precisa ser bela e inspirada! Para cumprir o papel na evangelização com toda a eficácia. Interessante, também, percebermos que ao longo da nossa caminhada somos chamados a continuarmos em constante conversão, evangelizados todos os dias. A música, particularmente me acompanha e auxilia muito a cada passo rumo ao Céu! A música pode nos aproximar ainda mais de Deus, especialmente, em dois aspectos que considero essenciais: comunitário, na liturgia, como é maravilhosa uma missa bem preparada e celebrada no que se refere às canções? Isso nos aproxima e muito de Deus; e no pessoal, no momento de oração diária, a música deve ser alimento para uma maior e mais profunda intimidade com o Senhor. Eu não sei rezar sem música! Para mim, ela é semelhante ao silêncio: lugar do encontro”.

Raquel Carpejani, da Comunidade Recado

A prioridade de um artista cristão deve ser sempre levar a Palavra de Deus, a evangelização. “Precisamos trazer sempre em nós com clareza o “porquê” do nosso cantar e, também, o “para quem” e o “para quê”. Se essas respostas forem respectivamente – chamado, Deus e a salvação das almas, estaremos no caminho certo”, completa Raquel.

O Ser Artista e os desafios da evangelização através das artes

A Comunidade Recado nasceu do desejo de evangelizar através das artes, especialmente através da música, e hoje a missão se estende para a formação do artista católico e a propagação da espiritualidade do Sagrado Coração de Jesus.

Há cinco anos em missão na França, Débora Moreira conta como é ser artista em outras realidades e alguns dos desafios que enfrenta. “Tudo o que somos e fazemos deve ser para o louvor de Deus. Em cada uma das nossas casas de missão, nós desenvolvemos o nosso carisma a partir da realidade que estamos inseridos. Realizamos, aqui em Toulon, o Festival Art et Foi (Arte e Fé) que possui como objetivo principal proporcionar a todos os participantes uma experiência com o Deus vivo através do diálogo entre a arte e a fé. Nesse festival nós organizamos exposições (quadros, esculturas), espetáculos (dança, teatro, música), além de uma noite de adoração e intercessão com e pelos artistas. Na missão da França, nós trabalhamos com um espetáculo teatral chamado Ton Regard (Teu Olhar), que foi criado especialmente para o Festival de Teatro de Avignon, o maior do mundo. Durante o evento, a Diocese de Avignon abre as portas das Igrejas e propõe espetáculos cristãos profissionais que constituem assim a Presença Cristã. O público do Festival de Avignon é muito diversificado e, em geral, distante da Igreja ou de qualquer religiosidade. Através desse espetáculo pudemos provar da ação direta de Deus através do nosso carisma. Pessoas distantes de Deus que entram na igreja por curiosidade e saem tocadas pela mensagem e pela qualidade artística daquilo que eles veem”.

“Acredito que o grande desafio do artista católico hoje é não se deixar iludir com o discurso de que ‘a unção basta’. A unção passa pelo investimento, pelo profissionalismo, pela dedicação, pelo zelo com aquilo que se faz. Não basta uma mensagem bonita, é necessária uma proposta bem elaborada, com qualidade técnica e empenho pessoal. É necessário unir o dom ao rigor. A unção de Deus passa pelo empenho. Não estamos lutando para que a nossa arte seja como a do mundo secular, estamos lutando para dar o melhor que podemos dar para transmitir com esplendor a Beleza de Deus. O mundo já conhece a beleza da arte, ele precisa agora a Beleza daquele que é Pai e Mestre de toda beleza”, afirma Débora.

Por Juliana Cuani e Luciana Martins – Jovens Conectados

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais