“Filha de Maria” deixa recado pra quem está na descoberta vocacional: “Arrisque tudo por Ele!”

Publicado em 21 de abril de 2016 Por Seja o primeiro a comentar!

O Papa Francisco, na sua mensagem para o Dia Mundial de Oração pelas Vocações, celebrado no último domingo, 17, pede as comunidades cristãs que suscitem nos jovens o desejo de se consagrarem e evangelizarem. Na série especial “Vocacionado!Eu!?” você tem acompanhado histórias de jovens que escolheram fazer a vontade de Deus, abraçando a vocação a que foram chamados.

Trazemos hoje o testemunho de Maria Clara, missionária da Comunidade Filhos de Maria, que afirma com toda convicção ter feito um escolha  acertada, ao seguir o chamado de Deus.

Banner-Série-Vocacional-Jconectados--jovem-2

Eu fico pensando que talvez você esteja se questionando qual a finalidade de ler um texto deste tamanho. Hoje em dia, nos acostumamos tanto com informações rápidas, muitas abas abertas ao mesmo tempo e pouca disponibilidade de coração para se olhar devagar para alguém. Todavia, dou aqui meu testemunho, na esperança de que você olhe devagar para a minha história e toque o mistério que há nela, pois ela fala muito mais de Deus do que de mim. Por isso, só por isso, ela pode também levar você a mergulhar um pouco mais no mistério da sua vida e descobrir quão preciosa ela é!

Eu me chamo Maria Clara, tenho 22 anos, sou membro de vida da Comunidade Filhos de Maria há 3 anos e moro em Montes Claros-MG. Como qualquer outro jovem de minha idade, estudo, trabalho, tenho meus medos, angústias e muitas alegrias. A diferença é que, há algum tempo, tudo em minha vida mudou, pois eu deixei de viver em função de mim mesma para viver inteiramente para Deus. É engraçado como parece ser contraditório aos olhos do mundo, mas eu saciei meu desejo de liberdade abdicando do poder de decidir sobre a minha vida; eu já não me pertenço mais!

Tudo começou no seio de minha família, onde experimentei primeiro de um amor ilimitado e desinteressado. Minha avó materna me deixou a melhor herança que alguém pode receber: uma fé simples e profunda. Pelas mãos de Nossa Senhora, descobri o amor, fui seduzida por ele e me tornei prisioneira. Pode ser difícil de entender, mas é coisa de gente apaixonada! Quando eu tinha 17 anos, com todos os meus planos formados, meus sonhos próximos a serem concretizados, Deus me fez um chamado. Foi quando eu descobri que sou muito mais amada por Ele do que imaginava. Ele tinha um chamado só para mim! Claro que não foi algo que aconteceu da noite para o dia, não foi nenhum anjo que desceu do céu para me fazer um anúncio, mas foram pequenos acontecimentos, singelas manifestações, doces toques de Deus que me fizeram ter a certeza de que eu era chamada a viver para Ele, a entregar minha vida sem reservas, a assemelhar-me de tal forma ao amor a ponto de esquecer de mim mesma e viver em prol de toda uma humanidade que sofre. Mais tarde conheci a vida consagrada um pouco mais de perto, através da Comunidade Filhos de Maria e fui permitindo aos poucos que Deus conduzisse minha vida. Que escolha acertada eu fiz!

Renunciar por amor a Deus

Tive que renunciar a muita coisa, porque, como diz Santa Terezinha, “Não é bastante amar, é preciso prová-lo”. Saí do meu convívio familiar, abandonei o sonho da medicina, terminei um namoro. Fui desconstruindo tudo, ou melhor, deixando Deus desconstruir. Quando eu estava finalizando meu 1° ano de faculdade, senti um forte apelo de Deus para que eu largasse meu barco na beira da praia e o seguisse.Tranquei minha faculdade, avisei minha família e decidi fazer uma experiência numa comunidade de vida. Para quem não entende muito bem sobre novas comunidades, basicamente, eu sou missionária, e tudo o que faço é em prol da evangelização. Somos a “primavera da Igreja”, como disse São João Paulo II, quando ainda era Papa, e com nosso trabalho buscamos construir como Igreja o Reino de Deus. No caso da Comunidade Filhos de Maria, temos como Carisma ser no mundo a manifestação do amor misericordioso do Pai e atuamos de diversas maneiras, com o objetivo de ser alívio e dar sentido a todo e qualquer tipo de sofrimento.

Hoje entendo porque o Papa Emérito Bento XVI diz que “Deus não tira nada, Ele dá tudo”, pois tenho cem vezes mais do que tinha antes. Como fez com Abraão, Ele me devolveu meu “Isaque” da medicina e hoje já estou finalizando meu terceiro ano de faculdade. Apesar de não ter a oportunidade de conviver tanto com minha família, aprendi a amá-los como nunca antes, através de minha experiência com Deus, afinal, eles também deram um “sim” junto comigo e são parte de mim. Tudo o que faço agora tem um novo sentido, e isso faz toda a diferença!

Neste ano Jubilar, terei a graça de finalmente me consagrar. Que presente de Deus! É maravilhoso perceber como Ele cuida de cada detalhe e, nesses detalhes, manifesta seu zelo para conosco. Após 3 anos de uma vida missionária intensa, cresci humana e espiritualmente e me descobri, entendendo porque Santo Agostinho exclamou que “Eis que eu te procurava fora e estavas dentro”. É esse Deus que habita em mim que me impulsiona a ir além, a ofertar-me como uma alma-hóstia e viver o céu ainda aqui na terra, amando e sendo amada. Apesar de toda a minha miséria, Ele acredita em mim. Isso é amor, sobretudo amor misericordioso!

Não tenha medo de se entregar a Deus. Arrisque tudo por Ele, porque o que temos por “tudo” neste mundo vai passar, mas o verdadeiro tudo permanecerá! Vem ser feliz!

Por Maria Clara, discípula de 2º ano da Comunidade Filhos de Maria.

Leia Mais

 1º Testemunho da série “Vocacionado!Eu?!”: “Testemunho vocacional: jovem e feliz por viver a loucura da cruz

2º Testemunho da série “Vocacionado!Eu?!”:Deus, às vezes, tira de onde não tem, diz Pe. Everson sobre sua história vocacional” 

3º Testemunho da série “Vocacionado!Eu?!”:”Vocação Matrimonial: alegria de viver um amor pleno e verdadeiro”

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais