Entrando na missão com o pé direito

Publicado em 8 de dezembro de 2017 Por 1 Comentário

Vamos começar nossa matéria com o pé direito, ou melhor a partir da falta do mesmo…


Adenilson Pereira da Silva, 24 anos, é artesão e natural de Itapecuru, cidade pertencente a diocese de Coroatá no estado do Maranhão. O jovem está na Diocese de Caxias no mês de dezembro vivenciando a sétima missão. Ele teve sua mobilidade reduzida desde 2012 quando foi vítima de um atropelamento, a mutilação segundo Adenilson mudou também sua história de vida.

 

Adenilson com as missionárias Ilzeane e Daiane em Caxias – MA

A falta da perna direita transformou a forma de pensar e ver o mundo: antes ele se intitulava egoísta, e a partir do momento do acidente se tornou mais humilde, pois “vi que não estava sozinho no mundo e que o outro podia ensinar e ajudar muito”, acrescenta o jovem.

 

 

A mutilação também trouxe novos sonhos e objetivos de vida, um deles é ser um futuro atleta paraolímpico do ciclismo, mas por falta de patrocínio e uma bike adequada está distante, o outro já está realizando: ser missionário.

 

 

Adenilson na Missão Jovem Amazônia 2017, em Caxias – MA

A partir da deficiência Adenilson dá um exemplo ao ser missionário, dos mais de 30 jovens na Missão Amazônia ele é o único que possui alguma mobilidade reduzida, representando os mais de 24% da população brasileira que tem alguma deficiência (segundo IBGE 2012), mas vale ressaltar que em momento algum a ausência da perna direita o fez diferente dos outros em Caxias -MA.

 

Ele é um exemplo que nós Jovens Conectados queremos dar voz e vez, pois muitas vezes testemunhamos que não se vê a pessoa com deficiência, pois a mídia reporta a deficiência na pessoa, ou seja o diferente se sobressai ao ser humano, à pessoa cristã, esquecendo-se da sua essência primeira. E assim, falamos de capacitismo, para quem não sabe: é uma forma de discriminação para pessoas com deficiência quando elas são consideradas naturalmente incapazes, e isso passa pelo padrão de um corpo normativo.

 

Missão nas casas dos moradores da comunidade Nossa Senhora das Dores em Caxias – MA

 

 

 

Momento de descanso após o almoço missionário

É capacitismo quando você sente pena e não respeito. Muitos se esquecem, mas o maior cantor do Brasil, Roberto Carlos não tem a perna direita, é considerado Rei, e sua “mutilação/deficiência” nunca interferiu no seu trabalho, no seu canto…

 

 

 

“A capacidade não está nos membros que a pessoa tem e sim no coração que carrega”, ensina Adenilson.

 

 

 

 

Momento de descontração e partilha durante visita em missão

O coração e a fé do jovem mostrou o caminho a seguir, ele é vocacionado e está em processo de discernimento há dois anos. Adenilson se intitula um missionário que gosta de ouvir, que prefere os gestos às palavras, mas que quando necessário sabe utilizá-las, e muito bem diga-se de passagem… enquanto repórter, confesso que o vídeo que gravei a seguir vai lhe ensinar:

Ao ser questionado Adenilson afirma que não gosta de ser intitulado super herói, afinal “super heróis somos todos nós todos os dias, nós somos humanos, é um instinto de sobrevivência vencer diariamente”. Muito ainda poderíamos aprofundar sobre o exemplo de homem, de ser humano, cristão e missionário que o jovem nos dá. Com seu testemunho de fé e vida ele saiu de uma depressão após a mutilação e já conseguiu levar 6 missionários e formar 9 grupos de jovens por onde passou.

 

A fé não tem que buscar a cura pro deficiente e sim seu bem estar, Adenilson afirmou que “alegria ele tinha no mundo, mas felicidade verdadeira encontrei com Deus e é essa felicidade que levo nas missões”. Ele não quer ser visto como um missionário excepcional, mas sim como um cristão, que busca seus direitos e pode fazer qualquer coisa e quer sim fazer a diferença.

O jovem quer ser reconhecido como o homem Adenilson, quer fundar uma Pastoral do Deficiente em sua Diocese, quer ser medalhista brasileiro. E é assim que nós vamos interceder por ele e sua missão de anunciar a Boa Nova, o evangelho.

 

 

Por Maria Emília Duarte dos Jovens Conectados correspondente da Missão Jovem

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

1 Comentário para “Entrando na missão com o pé direito”

  1. Lisandra disse:

    Ele é um grande amigo , muito especial para mim. Nao sei como ele me suporta kk nao sou tao facil de lidar, mas ele sempre ,estar disposto a me ouvir e a ouvir os outros . e realmente é um servo de deus. 😘

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais