Conheça a nova composição da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB

Publicado em 8 de julho de 2019 Por Seja o primeiro a comentar!

Para o próximo quadriênio (2019-2023), a Comissão Episcopal Episcopal Pastoral para a Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) contará além de seu presidente dom Nelson Francelino Ferreira, bispo da Diocese de Valença, com  dois bispos e dois assessores entre os quais o padre Antônio Ramos.

Bispos referenciais:


• Dom Nelson Francelino Ferreira (Presidente)

Dom Nelson Francelino nasceu em Sapé, na Paraíba, em 26 de fevereiro de 1965. Cursou Filosofia na Faculdade Eclesiástica de Filosofia João Paulo – seminário Rio de Janeiro (1984-1985) e Teologia no Instituto Superior de Teologia da arquidiocese do Rio de Janeiro (1986-1989).

Foi ordenado presbítero em 4 de agosto de 1990, no Rio de Janeiro. Em 24 de novembro de 2010, foi nomeado bispo auxiliar de São Sebastião do Rio de Janeiro pelo Papa Bento XVI e ordenado bispo em 5 de fevereiro de 2011. Dom Nelson possui mestrado e doutorado em Teologia Sistemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e está no governo pastoral da diocese de Valença desde a sua posse em 5 de abril de 2014. Após sua ordenação episcopal, foi bispo auxiliar do Rio de Janeiro de 2010 a 2014 e é membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB desde 2015.

• Dom Antônio de Assis 
Nascido em Capitão Poço – PA, foi ordenado sacerdote na cidade de Ourém (PA) pela imposição das mãos de Dom Miguel Maria Giambelli, Bispo da Diocese de Bragança, em 17 de junho de 1995, retornando para Manaus onde continuou seus trabalhos de formação Salesiana. No ano seguinte foi nomeado encarregado do Centro Vocacional Salesiano João Paulo II, também em Manaus, sendo formador dos aspirantes e pré-noviços. De 2000 a 2005 foi diretor da Escola Salesiana do Trabalho em Belém; professor de Teologia Moral no Centro de Formação Presbiteral da Arquidiocese de Belém.

Entre tantas missões, foi membro do Comitê REPAM (Rede Pan-Amazônica) do regional CNBB Norte I. De 2013-2017: atuou como vice-inspetor (vice-provincial) da Inspetoria Salesiana Missionária da Amazônia, delegado provincial para a Pastoral Juvenil Salesiana e vocacional; encarregado da promoção do voluntariado Juvenil Inspetorial e diretor-sócio da Faculdade Salesiana de Dom Bosco de Manaus.

• Dom Amilton Manoel
Nasceu no dia 02 de março de 1963, em Osvaldo Cruz (SP), filho de Joaquim Manoel da Silva e Maria Velanuche da Silva. Foi batizado em 07 de abril de 1963, na Igreja Matriz de São José, pelo Pe. Jorge CP, e foi crismado no dia 12 de maio de 1963, pelo Pe. Lucas Arrigo Costa, CP – Superior Provincial, delegado de Dom Hugo Bressani, Bispo de Marília.

Em 12 de fevereiro de 2000 fez a Profissão Perpétua, em Colombo, bairro Guaraituba, na Paróquia Santa Teresinha de Lisieux. Em 25 de março de 2000 recebeu em São Paulo o Acolitado e Leitorado. Foi ordenado Diácono em 13 de maio de 2000, na Paróquia Imaculada Conceição, em Osasco (SP) e, em 17 de dezembro de 2000, na Igreja Matriz de São José, em Osvaldo Cruz (SP), recebeu a Ordem do Presbiterado. O Bispo ordenante foi Dom Luciano Mendes de Almeida (in memória), Arcebispo de Mariana (MG).

No dia 7 de junho de 2017 foi nomeado bispo titular de Tusuros e auxiliar de Curitiba.Sua ordenação episcopal aconteceu no dia 19 de agosto desse mesmo ano. Foi seu ordenante principal: Dom José Antônio Peruzzo, e seus co-ordenantes: Dom Frei Cláudio Cardeal Hummes, O.F.M. e Dom Luiz Fernando Lisboa, C.P. Recentemente nomeado membro da Congregação para a Vida Consagrada.

Saiba quem são os assessores:

• Padre Antônio Ramos de Prado, SDB – (Assessor Externo)
• Assessor interno – A definir

 

FAQ – Perguntas frequentes

1. O que são as Comissões Episcopais Pastorais?
As Comissões Episcopais Pastorais promovem a pastoral orgânica nacional, com suas dimensões globais e setores especializados. Cada comissão responde pelo estudo, proposta e animação dos programas e projetos de seu âmbito de atribuições, em sintonia com as demais comissões, para garantia da unidade da pastoral orgânica. Existem também as comissões especiais. São eleitas pela Assembleia Geral e pelo Conselho Permanente da CNBB.

2. O que é a Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude?
A Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), é o espaço que articula, convoca e propõe orientações para a evangelização da juventude, respeitando o protagonismo juvenil, a diversidade dos carismas, a organização e a espiritualidade para a unidade das forças ao redor de algumas metas e prioridades comuns (CNBB, Doc. 85, n. 193) à luz do Documento 85 “Evangelização da Juventude”, das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil e do Documento de Aparecida.

3. Quando surgiu a Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude?
A Comissão foi criada por decisão da 49ª Assembleia Geral da CNBB, em maio de 2011, a partir do Setor Juventude, anteriormente vinculado à Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato.

4. Qual a atual composição da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude?
A Comissão para a Juventude é presidida por Dom Nelson Francelino Ferreira, bispo da Diocese de Valença (RJ). Fazem parte dela, também, Dom Antônio de Assis (Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém) e Dom Amilton Manoel (Bispo auxiliar da Arquidiocese de Curitiba); além de dois assessores nacionais, entre eles o Padre Antônio Ramos Prado. Além disso, a Comissão é auxiliada por 18 bispos referenciais da juventude nos Regionais da CNBB, por uma Coordenação Nacional de jovens, por várias equipes dedicadas à evangelização da juventude e, ocasionalmente, por assessores e peritos convidados.

5. Como se da a atuação da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude?
O campo de trabalho da Comissão abrange as diversas experiências de evangelização da juventude existentes: Pastorais da Juventude, Movimentos Eclesiais, Novas Comunidades, Congregações Religiosas, que trabalham com juventude, Catequese Crismal, Pastoral Vocacional, Pastoral da Educação, Pastoral Familiar, Pastoral do Adolescente, em parceria com o Setor Universidades da CNBB e outros segmentos eclesiais envolvidos com evangelização juvenil (cf. CNBB Doc. 85, n. 193). Há um processo de envolvimento dessas diferentes forças que exige atenção, acolhida, escuta, discernimento, conversão, planejamento, acompanhamento, tempo e investimento. Enfim, a Comissão trabalha para que em todas as instâncias eclesiais haja uma verdadeira paixão pelos jovens e se faça uma significativa opção afetiva e efetiva por eles capaz de atingir, inclusive, o âmbito social.

Saiba mais sobre:
Os Bispos Referenciais da Juventude (Regionais)
Coordenação da Pastoral Juvenil
Equipe Nacional de Comunicação(Jovens Conectados)

Por Layla Kamila – Jovens Conectados

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais