Carnaval em casa? 6 sugestões de filmes imperdíveis

Publicado em 20 de fevereiro de 2017 Por Seja o primeiro a comentar!

deuses-e-homens

1. Homens e Deuses (2010)

O filme de Xavier Beauvois (foto principal deste artigo) é um dos que melhor refletem os diferentes aspectos da vida consagrada na Igreja. A verdadeira dimensão procede do testemunho de martírio dos sete monges trapistas da abadia de Nossa Senhora do Atlas, em Tibhirine, Argélia, assassinados em 1996.

No filme, reflete-se a consistência da vocação pessoal dos monges, bem como sua oração, suas dúvidas e decisões; a comunidade como Igreja em inserção e transparência de Cristo presente entre os pobres e sinal de diálogo e perdão para a humanidade; o discernimento comunitário, difícil e doloroso, ao mesmo tempo que alegre, sintetizado magistralmente na última cena, que mostra a passagem da dúvida e do medo até chegar à entrega e à paz.

Do ponto de vista da teologia da vida religiosa, o filme é cativante: um ícone da dimensão escatológica, reconciliadora e fraterna da vida consagrada.

2. Em Busca de um Lar (2013)

Baseado em uma dilacerante história verdadeira, o filme narra o drama de uma adolescente grávida, Apple (Vanessa Hudgens), que foge da mãe abusadora e viciada em drogas (Rosario Dawson) e começa a conviver com o pai rico (Brendan Fraser).

3. A Missão (1986)

Este grande clássico de Roland Joffé mostra a vida dos jesuítas nas reduções do Paraguai. É interessante observar o antagonismo entre o Pe. Gabriel (Jeremy Irons), com as opções dos jesuítas no meio dos guaranis, e o capitão caçador de índios Rodrigo Mendoza (Robert De Niro), que se converte do seu passado violento e se torna irmão jesuíta. Mas nem o pacifismo espiritual de um nem a defesa militar organizada do outro conseguem salvar os indígenas.

4. Adeus, Meninos (1987)

Neste filme de Louis Malle, uma comunidade de carmelitas resiste aos nazistas, escondendo os alunos judeus entre seus pupilos: uma preciosa herança de coragem para os sobreviventes.

5. Marcelino Pão e Vinho (1955)

“Marcelino Pão e Vinho” (Marcelino Pan y Vino) é o célebre livro do autor espanhol José María Sánchez Silva que foi adaptado para as telas em 1955. Assim como o livro, o filme também é uma produção espanhola, aplaudida em importantes festivais de cinema e grande sucesso de bilheteria em várias partes do mundo.

Na história, um frade franciscano relata para uma menina doente a lenda de Marcelino, um bebê abandonado na porta de um convento masculino. Os doze frades do convento procuram pais adotivos para o menino, mas, não encontrando candidatos, acabam eles próprios criando Marcelino. O garoto cresce fazendo travessuras e levando os pobres frades à beira da loucura com a sua espontaneidade e fervilhante imaginação. Sem outras crianças da sua idade para brincar, ele se diverte inventando apelidos para os religiosos, contando histórias inacreditáveis e até criando um amigo imaginário, a quem ele chama de Manuel.

Acontece que uma das histórias que Marcelino conta aos religiosos acaba desafiando a curiosidade deles, que decidem conferir pessoalmente. Parece que ele encontrou Alguém no sótão do convento… É quando os religiosos constatam, com grande surpresa, o poder divino da inocência. Marcelino se transforma então no protagonista de um belíssimo e comovente milagre, que marcará para sempre o vilarejo.

https://www.youtube.com/watch?v=QBCJysUJdNQ

6. Um Deus Proibido (2012)

A perseguição religiosa que os católicos padeceram durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939) foi, sem dúvida, a mais sangrenta da história moderna. Os “vermelhos” aniquilaram 6.823 sacerdotes e religiosos, além de 3 bispos. São números bem superiores aos 90 sacerdotes que, segundo o historiador Jean Meyer, foram assassinados no México durante a Cristiada. Embora ambas as nações tenham sofrido uma perseguição terrível, não há comparação entre os números de uma e da outra. O filme aborda em específico a perseguição religiosa em Barbastro, Aragão, onde foi aniquilado 88% do clero – com níveis de sadismo sem precedentes.

Fonte: aleteia.org

 

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais