10 filmes fantásticos sobre a vida consagrada

Publicado em 10 de setembro de 2015 Por Seja o primeiro a comentar!

1

A produção cinematográfica sobre a vida consagrada é numerosa. A seguir, selecionamos alguns filmes para ver com o coração.

Homens e deuses (2010)

O filme de Xavier Beauvois é um dos que melhor refletem os diferentes aspectos da vida consagrada. A verdadeira dimensão procede do testemunho de martírio dos 7 monges trapistas da abadia de Nossa Senhora do Atlas, em Tibhirine (Argélia), assassinados em 1996.

No filme, reflete-se a consistência da vocação pessoal dos monges, bem como sua oração, suas dúvidas e decisões; a comunidade como Igreja em inserção e transparência de Cristo presente entre os pobres e sinal de diálogo e perdão para a humanidade; o discernimento comunitário, difícil e doloroso, ao mesmo tempo que alegre, sintetizado magistralmente na última cena, que mostra a passagem da dúvida e do medo até chegar à entrega e à paz.

Do ponto de vista da teologia da vida religiosa, o filme é cativante: um ícone da dimensão escatológica, reconciliadora e fraterna da vida consagrada.

 Andrei Rublev (1966)

Este filme é uma obra-prima de um dos grandes do cinema espiritual, Andrei Tarkovsky. O longa mostra como a existência dos monges em meio à barbárie conservou a presença da beleza como manifestação de Deus.

Os últimos passos de um homem (1995)

Este filme de Tim Robbins mostra a vida real da irmã Helen Prejean, no corredor da morte, acompanhando um condenado. O amor paciente e o sacrifício da religiosa, apoiada pela sua comunidade, ajudarão Patrick Sonnier (Sean Penn), um homicida condenado à morte, na descoberta do perdão e da redenção.

A missão (1986)

Este filme de Roland Joffé mostra a vida dos jesuítas nas reduções do Paraguai. É interessante observar o antagonismo entre o Pe. Gabriel (Jeremy Irons), com as opções dos jesuítas no meio dos guaranis, e o capitão, caçador furtivo de índios, Rodrigo Mendoza (Robert De Niro), que se converte do seu passado violento e se torna irmão jesuíta. Mas nem o pacifismo espiritual de um nem a defesa organizada de forma militar do outro conseguem salvar os indígenas.

Monsieur Vincent (São Vicente de Paulo) (1947)

Entre os clássicos, é preciso destacar o vencedor do Oscar, Monsieur Vincent, de Maurice Cloche, um retrato interessantíssimo de São Vicente de Paulo, fundador dos Missionários Paulinos e das Filhas da Caridade. Destaca-se sua luta a favor dos pobres e seu testamento à jovem religiosa no final.

Visão: Da Vida de Hildegarda de Bingen (2009) 

A história de Hildegard von Bingen é marcada pelo rigor histórico e pela personalidade poliédrica da santa beneditina, ainda que tenha mais dificuldades para representar a dimensão espiritual das suas visões.

A História de Uma Freira (1959)

A protagonista, Gabrielle van der Mal (Audrey Hepburn), depois de muitas dúvidas e da renúncia à sua vida acomodada, emitiu seus votos perpétuos, tornando-se Luc. No hospital em que trabalha como enfermeira, conhece o doutor Fortunati (Peter Finch), por quem se apaixona. A trama mostra o conflito que a jovem tem diante de sua consciência e sua necessidade de ser coerente e é um convite à reflexão.

Adeus, meninos (1987)

Neste filme de Louis Malle, uma comunidade de carmelitas resiste aos nazistas, escondendo os alunos judeus entre seus pupilos: uma preciosa herança de coragem para os sobreviventes.

Diálogos das carmelitas (1960)

Esta adaptação da obra de Bernanos, de Philippe Agostini e do religioso dominicano Raymond Leopold Bruckberger, mostra como uma comunidade religiosa enfrenta a morte de maneira heroica.

Ostrov – A ilha (2006)

É um 2006 filme biográfico sobre um russo do século 20 ficcional Oriental monge ortodoxo.Em algum lugar no norte da Rússia, num pequeno monastério ortodoxo, vive um homem incomum.

Por: Aleteia

/tags

/leia mais

/deixe seu comentário

/redes-sociais

/siga nossas redes sociais